O conceito de Manobrabilidade e o Gimp.

Caros,

com o lançamento do novo Gimp tivemos algumas alterações na interface além da habitual agregação de novos recursos. Não cabe a mim comentar se tais alterações são boas ou ruims no âmbito extra opinião INDIVIDUAL uma vez que não sou desenvolvedor sou publicitário.

Então, dentro deste limite posso dizer que tal mudança não me agradou de todo pois preferia que o menu de ações rápidas continuasse no mesmo lugar que a caixa de ferramentas, mas fora isso não vi problema algum na mudança ocorrida. Dito isso podemos partir para o que realmente interessa que é a explanação sobre manobrabilidade.

Manobrabilidade é o conceito que envolve a organização do espaço de trabalho da ferramenta que está sendo utilizada na execução de uma determinada tarefa, seja ela simples ou altamente complexa e trabalhosa.

A imagem abaixo mostra o Gimp 2.6 em sua forma original quando aberto pela primeira vez:

Uma das principais alterações na estrutura do programa foi o alocamento do menu “Arquivo” e adjacências para a interface de controle da imagem a ser trabalhada sendo que a mesma agora é visível de forma permanente e não apenas quando temos uma imagem em aberto:

fmcinit2

O primeiro passo para modificar a disposição da interface de trabalho do Gimp a nossa maneira é compreender como funciona a mecãnica de adição e exclusão de recursos da interface de de trabalho do mesmo:

Comecemos com o pequeno utilitário de configuração de interfaces, este pequeno recurso está presente na interface denominada “Caixa de Ferramentas”*(antiga Interface principal do Gimp)  e também em todas as janelas pré-existentes e também nas que serão eventualmente criadas por você durante a custmomização do ambiente de trabalho do programa. Clicando sobre este recurso temos acesso a um menu de opções aonde podemos adicionar novas abas a interface na qual desejamos, seja ela fixa como a denominada “Caixa de Ferramentas” ou mesmo descartável como uma nova criada por nós para alocar recursos diversos:

fmcinit3

Para adicionar um novo recurso a interface em forma de aba, basta clicar sobre o mesmo:

fmcinit4

Como transformar uma aba e ou acoplamento em janela?

Este procedimento é muito simples, posicione o cursor do mouse de maneira que o mesmo adquira o formato de um link clicável semelhante ao visto na imagem abaixo:

fmcinit5

Agora clique e arraste a aba para fora da interface na qual ela se encontra:

Note que durante este processo a aba ou acoplamento se torna um retângulo que pode ser colocado em qualquer parte da área de trabalho, inclusive dentro de outra interface de assim você desejar:

fmcinit6

Opcionalmente ainda é possível redimencionar o tamanho de qualquer janela ou interface bastando aproximar o cursor de suas extremidades e arrastando as mesmas até que o tamanho desejado seja configurado:

fmcinit7

E para transformar uma janela em aba ou acoplamento?

Tal procedimento é praticamente o inverso do executado anteriormente, clique sobre a janela a sofrer a alteração da mesma maneira que foi feita com a mesma enquanto aba e arraste-a para a interface desejada até que o hachurado da confirmação do encaixe se torne visível:

fmcinit8

Depois que a area de encaixe estiver visível basta soltar o botão do mouse:

fmcinit9

O Espaço ORGANIZACIONAL:

Agota que já analisamos a mecânica de inclusão e exclusão de recursos da interface de trabalho do Gimp, vamos agora visualizar maneiras de se montar um ambiente prático que fomente o aumento da eficiência do nosso trabalho além de proporcionar prazer e confiança:

O “Willber” presente no canto esquerdo de cada janela não é um enfeite, na verdade ele é um ítem importantíssimo quase sempre ignorado por nós. Clicando sobre ele, temos acesso a um menu onde podemos definir o comportamento da janela dentro do ambiente gráfico que estamos utilizando, veja que se marcarmos a opção “Sempre no topo” a janela que sofreu a intervenção irá ficar visível independente dos programas que sejam utilizados em primeiro plano:

fmcinit15

Veja o que acontece quando diminuímos a largura da interface denominada “Caixa de Ferramentas”, note como as ferramentas primárias formam linhas paralelas facilitando o seu acesso por categorias de cima para baixo:

fmcinit11

Agora veja o que acontece quando maximizamos o tamanho da janela da interface de trabalho da imagem do Gimp, repare como ela engloba todas as demais interfaces pré-existentes de uma vez só, tornando o ambiente totalmente unificado*(tal “unificação” só é possível com o recurso visto acima ativado):

fmcinit12

Ou ainda é possível trabalhar com as já conhecidas janelas flutuantes *(meu modo favorito) bastando para isso apenas alocar os recursos desejados aonde bem entendermos:

fmcinit13

Como a alocação de recursos é algo extremamente pessoal, deixo isso ao seu bel prazer encerrando o assunto de hoje por aqui.

Vejo vocês no nosso próximo assunto!=]

About these ads

Uma resposta to “O conceito de Manobrabilidade e o Gimp.”

  1. Lázaro "Cachorro Doido" Castro Says:

    Cara, eu estou começando agora a aprender a trabalhar com o gimp e com o inkscape e seus tutoriais estão me ajudando bastante. Ainda estou em fase “embrionária” ainda tenho que aprender muitos conceitos de Design e taus… mas um passo de cada vez. ;-)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: