Aprenda a ser CHATO.(Quanto mais CHATO melhor)

Parece insasatez minha mas não é, quanto mais CHATO você for MELHOR será o resultado do seu trabalho.

Mas Razgriz… é possível ser CHATO sen incomodar os outros?

Bem meu caro aprendiz, essa resposta tem dois caminhos… pois se eu disser que sim estarei dizendo uma meia verdade pois muitos poderão ficar irritados com o resultado do seu trabalho, inclusive você mesmo se não tomar cuidado.

Mas ainda sim Razgriz…defina CHATO.

Chato meu aprendiz é isto :

ficar pequeno e ir parar encima do capô do próprio retirando ainda de ambos os polos o pequeno ponto branco presente em uma das rodas com margem de erro próxima se não a ZERO.

o primeiro passo é buscar dentro da nossa biblioteca mental o que nós aprendemos sobre construções aditivas e subtrativas para em seguida aplicarmos isso na forma de trabalho conceitual, primeiro, duplique a camada base e redimensione a resultante de maneira proporcional a original até que a camada que sofre a ação tenha o seu objeto principal sobre o capô do primeiro automóvel, depois aplique sobre a camada redimensionada o efeito de camada “Somente Escurecer” e em seguida, duplique essa mesma camada, desta vez aplicando o efeito de camada “Somente Clarear”. É agora que começa a ficar realmente CHATO, crie um novo pincel ou edite um pré existente de maneira que o mesmo vire literalmente um vassalo seu podendo inclusive ser transformado em apenas um ponto pixel caso necessário:

Apenas para relembrar: Para se criar um novo pincel basta clicar sobre o ícone representado por uma folha de papel em branco com um asterisco, e para se editar um pincel pré existente basta clicar sobre o ícone representado por um a folha de papel com um lápis sobre ela, ambos os ícones citados estão localizados na aba/janela de pincéis como mostra a imagem abaixo:

Como se pode notar, a imagem acima também traz a nossa já conhecida interface de edição de pinceis, note como o raio de ação do pincel foi drasticamente alterado em favor de que a ferramenta borracha pudesse atingir o gráu máximo de eficiência nas partes por menores da imagem.

Pensando nisso, vamos analisar a imagem abaixo*(full view obrigatório):

Muito bem, como se pode notar existem diversas pequenas inperfeições aparentemente dificeis de serem eliminadas na miniatura posta sobre o capô do veiculo grande, ao lado se vê a aba de camadas ativa na interface principal do Gimp, o motivo de termos três abas é para realçar melhor certos pontos do objeto menor que ficaram prejudicados durante a primeira ação da ferramenta borracha, sendo que as duas primeiras camadas sofreram a ação do efeito de camada “Somente Escurecer”, e a terceira camada se destina ao efeito de camada aditivo denominado “Somente Clarear”. A imagem abaixo mostra um exemplo clássico de edição de pincel enquanto se apaga trechos indesejados de uma camada, note que quando se amplia a imagem, o mapa de bytes se torna muito mais evidente, facilitando a distinção dos pixels aproveitáveis dos descartáveis:

Repare também como o pincel deve ter o seu ângulo alterado em conjunto com a sua proporção para que o mesmo possa atingir espaços diminutos.

Note que na imagem acima o pincel foi ajustado para o ângulo de 90 graus afim de apenas a parte indesejada da imagem fosse apagada preservando o para choque do veiculo.

Você ode achar que o objeto menor já está perfeito mas não está, ainda existem imperfeições ocultas dentro da camada, uma boa dica é a mancha negra na “grade da escada”, se prestar bastante atenção vai perceber onde está o problema mais visível de todos que apesar disso pode ser considerado o menor e mais simples de ser resolvido, mas vamos deixa-lo para o final e nos concentrar na mancha negra.

Aqui podemos notar com mais clareza a “mancha” mencionada anteriormente, pois é o que uma imagem meticulosamente ampliada não revela não é =]?

A imagem acima trás também uma frase muito valida: Um mínimo raio atribuído a um pincel pode mover montanhas, digo manchas =]

Muito bem, agora como remover o grande pequeno problema? Primeiro vamos identifica-lo melhor para facilitar a vida de quem não o encontrou: É o ponto branco perto das rodas dos dois automóveis!=]

Para estirpar o problema com perfeição, basta ampliar o tamanho da imagem até 500% e fazer uso do mesmo pincel mínimo anterior, em simbiose com a ferramenta carimbo =]. As imagens abaixo ilustram este processo:

Repare que para remover o problema da imagem original, podemos trabalhar diretamente sobre a camada base. note que a ação da referida ferramenta se dá apenas nas areas teóricamente compatíveis umas com as outras.

O mesmo se fez com o objeto menor em suas multiplas camadas. O uso da ferramenta bandeide não é recomendado pois ela apenas torna a area afetada, congruente com a copiada, e não a substitui por pixels copiados como faz a ferramenta “carimbo”.

e assim, é por este motivo que vale mesmo apena ser CHATO :

é isso ai, espero que você tenha ao menos assimilado o meu conceito sobre paciência e persistência, afim de que o seu trabalho se destaque cada vez mais.

Vejo vocês no nosso próximo assunto!

Uma resposta to “Aprenda a ser CHATO.(Quanto mais CHATO melhor)”

  1. Wilson Marques de Oliveira Says:

    Bem, neste momento, 30/04/2010, 07:56 h, é que eu passei uma vista d’olhos neste trabalho. Agora vou pegar minhas enxada e foice e ver se posso roçar o mato.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: