Arquivo para novembro, 2009

Traços de Luz

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , on novembro 23, 2009 by phenonart

PPCaros,

O assunto do dia reflete novamente a mutação abstrata, ou seja vamos transformar um objeto ou mesmo cenário palpável em arte abstrata mantendo a sua estrutura básica inalterada.

Comecemos escolhendo a imagem do dia:

Feito isso vamos isolar  sua estrutura preservando apenas seus traços primários , para tal faremos uso da ferramenta denominada “Limite” cujo caminho pode ser visto abaixo:

É bem verdade que já explanamos muito sobre a mesma, mas vale relembrar que através do ajuste dos tons de valoração preto e branco podemos determinar o detalhismo estrutural a ser preservado na imagem. De posse disso quando estiver satisfeito, clique em OK para prosseguirmos:

Muito bem, agora vamos criar as nossas ranhuras :

Comecemos duplicando a camada base e sobre a nova camada distorcendo a de forma uniforme e contínua em linhas, para tal tarefa o filtro denominado “Vento” é perfeito :

Uma vez aberto o filtro, opte por um ajuste que concentre as linhas criadas para dentro da estrutura da imagem, abaixo temos um bom exemplo:

Repare como o parâmetro de estilo denominado ventania deixa as linhas mais salientes:

Como sempre o “freio” do filtro*(Limite) não precisa ter valoração a menos que você queira limitar o grau de ação do efeito do dia:

Quando o filtro termianr a tarefa teremos as ranhuras criadas se mesclando a imagem :

Vamos analisar um pouco mais de perto:

Repare que as ranhuras criadas pelo filtro agora preenchem os setores externos da estrutura:

Para que as ranhuras passem a formar a estrutura chave da imagem, basta trocar o efeito de camada da primeira camada em hierarquia =], para tal, utilize o efeito de camada denominado “Diferença” e veja oque acontece =] :

Isso mesmo! Agora a imagem se forma através das ranhuras criadas pelo filtro!

Agora vamos reforçar a estrutura luminosa da estrutura, para tanto duplique a camada de fundo e torne a camada original invisível, as imagens abaixo ilustram esse processo :

Feito isso, torne novamente visível a camada de fundo aplicando ainda sobre a mesma o efeito de camada denominado “Somente Escurecer :

E por agora ficamos assim :

Ganho de cor? Pra já =] :

Nada melhor do que um degradê de transição suave para dar cor a um trabalho desse nicho:

Crie uma nova camada transparente e  para aplicação, a forma “Linear” é uma perfeita, pode-se optar ainda por uma linha diagonal longa, a fim de se obter um tom ainda mais uniforme:

Após aplicado, o efeito de camada multiplicar fará com que o degradê se funda perfeitamente ao trabalho:

Caso queira um tom mais agressivo, basta duplicar a camada do degradê:

Para o ganho de luz final, combine todas as camadas visíveis e duplique a resultante, feito isso aplique o efeito de camada denominado “Adição” sobre esta última :

E assim termina o nosso exemplo do dia ! =]

Anúncios

Inside that Angel face

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, O GIMP, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , on novembro 11, 2009 by phenonart

aros,

antes de mais nada gostaria de me desculpar pela ausência involuntária, causada por motivos diversos incluindo falta de Internet, mas agora acredito que finalmente possamos retomar a nossa rotina. Dito isso, vamos ao assunto do dia.

Hoje nós vamos falar sobre a adaptabilidade estrutural de objetos a estruturas irregulares móveis, ou seja vamos aprender a transformar a função de um determinado objeto em outra completamente diferente dentro do conceito da imagem a partir da anexação de outro objeto =].

Comecemos escolhendo as imagens formadoras do exemplo do dia:

Abaixo temos a imagem principal, a qual sofrerá a transformação :

angel1

E aqui temos a imagem portadora do objeto a ser transplantado:

angel2

Primeiro vamos preparar o objeto primordial da imagem base de maneira que o mesmo possa receber o implante com o menor número de ajustes pendentes futuros, para tal  faremos uso da ferramenta denominada “carimbo” presente na caixa de ferramentas principal do Gimp:

Selecione uma área clara próxima ou mesmo pertencente ao quadrante da área a ser modificada e preencha o restante desta última com o trecho escolhido de maneira que uma área relativamente uniforme seja criada:

angel3

Não se preocupe se irregularidades e saliências mínimas acabarem por serem preservadas pois isto é algo perfeitamente aceitável e dará mais realismo ao trabalho:

angel4

Feito isso, selecione dentre a imagem doadora o objeto a ser anexado e cole sobre a área preparada para tal, em forma de nova camada redimencionando ainda o objeto se necessário:

angel5

Dependendo da orientação da área de transferência escolhida, um ajuste por rotação pode vir a ser necessário também:

angel6

Feito isso, aplique o efeito de camada denominado “Luz Dura” na camada portadora do objeto transplantado,  tal ação fará com que o objeto se funda a área preparada de maneira que o mesmo assuma suas propriedades de cor formando ainda volume.

IPC: Caso o seu objeto a ser transplantado possua estrutura coloral diferente de tons de cinza a dessaturação do mesmo pode vir a ser necessária.

angel7

Agora utilize a ferramenta “Borracha” em conjunto com um pincel de bordas desfocadas para eliminar todas as partes indesejadas do objeto anexado:

angel8

Feito isso, agora basta duplicar a camada portadora do mesmo para realçar o efeito =] :

angel9

Eis aqui :

Repare que agora o objeto parece realmente parte do cenário principal além de formar volume em cadência:

angel10

Para quem quiser ir MAIS LONGE =] :

vamos agora repotencializar o conceito da imagem original de maneira que o novo objeto anexado possa se destacar ainda mais, para isso vamos retrabalhar o seu conceito acrescentando outro objeto diferente:

No caso do exemplo do dia o desejo é sombriedade então escolhi uma imagem com muitos traços hostis:

Note que a nova imagem não parece ter traços viáveis para se utilizar, até que se olha para as “mãos”, reparem que as saliências das mesmas podem formar veias, hematomas , músculos e oque mais a imaginação permitir:

angel11

Então, selecionamos as mesmas:

angel12

Colamos sobre a imagem original:

angel13

Como mencionei antes, o redimensionamento as vezes é necessário para que a imagem transplantada possa manter a riqueza dos detalhes pretendidos e a proporcionalidade dentro da imagem:

angel14

Feito isso, aplique o efeito de camada denominado “Luz Dura” sobre a camada portadora da mesma e apague as arestas e demais trechos preteridos com a “Borracha”:

angel15

angel16

E o exemplo ficou assim: Preferi optar por criar conexões e saliências no peito de maneira a simular desgaste e pressão:

angel17

A mesma técnica vista aqui também pode ser empregada em outras áreas com pequenos ajustes:

Para setores mais claros e objetos com estrutura luminosa mais rica e diversificada o efeito de camada denominado “Sobrepor” é mais apropriado:

angel18

Nem sempre é valido preencher o objeto mór original por inteiro, deixe o bom senso interagir também:

angel19

Para completar o tom vamos amplificar a estrutura luminosa do trabalho como um todo:

Para tal combine as camadas visíveis:

angel20

Duplique a resultante e dessature esta última:

angel21

Agora vamos realçar os traços utilizando para tal o filtro denominado “Máscara de desaguçar”

angel22

Este filtro não é novo para nós, mas de qualquer maneira vamos ao ajuste primário :

Dando ao parâmetro raio uma valoração baixa estamos limitando a ação do filtro apenas as ranhuras e traços mais presentes da imagem alvo:

Dando ao parâmetro quantidade uma valoração entre 1,40 e 1,60 estamos dizendo ao filtro que precisamos de pouco realce sobre os traços pré determinados. Dito isso podemos prosseguir :

angel23

Eis o nosso trabalho pós filtro :

Repare que agora todos os traços mais precisos estão realçados.

angel25

Agora podemos optar por dois caminhos básicos:

Aplicando sobre esta camada o efeito denominado “Superexposição” estamos usurpando luz nos extremos do trabalho fazendo com que o conceito seja levado para a obscuridade além do sombrio:

angel26

Agora se optarmos pelo efeito de camada denominado “Luz Dura” estamos fazendo o inverso mas mantendo o ar sombrio =] :

angel27

E assim ficou o nosso exemplo do dia=] :

angel28

Então hoje meus queridos nós aprendemos a adaptar objetos a uma imagem de maneira que o objeto anexado alterasse a função do objeto original mór =] . Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto!

%d blogueiros gostam disto: