Arquivo para julho, 2008

Techno Clipse

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 31, 2008 by phenonart

Caros aprendizes,

Hoje nós vamos tratar de um assunto relativamente complicado e complexo porém extremamente estimulante. Vamos aprender a controlar a forma e o volume de um espectro pré renderizado de acordo com o conceito que precisamos que ele represente através de ranhuras retas, congruentes, elípticas e ou mesmo incongruentes, vamos lá?

Comecemos criando uma nova imagem  com fundo preto e de tamanho uniforme, preferencialmente entre 800×800 e 1000x1000pixel s, isto porque assim o seu hardware não sofrerá grandes cargas deixando o mesmo livre para outras tarefas que eventualmente você esteja executando.

Criada a nova imagem, vamos imediatamente abrir o filtro renderizador denominado “Chama”. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Aberto o filtro, selecione dentro do recurso “Mapa de cores” uma das opções padrão que seja compatível com a estrutura de cores e tons que você deseja que a sua imagem venha a ter, note que o resultado da ação primária deste filtro será progenitora do esquema final de cores que carregará a essência do padrão aqui escolhido. Caso nenhuma das opções vindas por padrão o satisfaça, lembre-se que você pode optar por utilizar algum degradê de sua preferência ou mesmo criar um que supra as suas necessidades para o momento e além.

Escolhido o Mapa de cores, vamos agora tratar do espectro a ser criado pelo filtro, para isto na aba denominada “Câmera” configure o Zoom para valor acima de 2,00, isso fará com que o espectro se torne mais detalhado além de preencher uma area maior da imagem.

Finalmente, clique no botão denominado Editar, esta ação nos levará diretamente para a interface de escolha do espectro a ser gerado, não esqueça de configurar o recurso “Variação” para o modo Randômico, isto fará com que a variedade de escolha do conceito espectral seja maior. Para o assunto do dia, dê preferência por uma grama de espectros limpos e curvados como os mostrados na folha de espectros abaixo. É também conveniente lembrar que para gerar uma nova folha de espectros basta clicar sobre o botão denominado “Randomizar”, escolhido o espectro desejado, basta clicar sobre o mesmo e depois no botão “OK”, presente na interface de escolha dos espectros.

Feito isso, já podemos ver o espectro escolhido dentro da janela de pré-visualização do filtro presente na interface principal do mesmo:

Agora basta clicar em “OK”  e aguardar o processamento que dependendo do seu hardware e do tamanho da imagem pode demorar um pouco.

Este é o resultado do nosso assunto do dia após a renderização do espectro gerado pelo filtro “Chama”:

Agora vamos transformar o nosso espectro em um verdadeiro eclipse, para esta tarefa nós iremos utilizar o filtro denominado “Borrão de Movimento”. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Aberto o filtro vamos revisar a sua interface de trabalho para podermos executar a nossa tarefa com qualidade:

Tipo de Borrão:

Determina qual será o tipo de atuação do mesmo dentro da imagem:

Linear : Promove um borrão do tipo linear, como um traço contínuo

Radial: Promove um borrão circular onde o borrão se atém a extremidade do raio.

Zoom: Promove um borrão gradativo do centro para fora das extremidades do mesmo.

Centro do borrão:

Determina onde será o ponto de início do mesmo dentro da imagem, uma boa maneira de se obter um início da reação no centro da imagem é aplicar o mesmo no seu centro sinérgico, por exemplo: em uma imagem com 800×800 pixel s o seu centro sinérgico equivale a divisão da imagem por dois, ou seja : 400 x 400 pixel s.=]

Borrar para fora:

Uma vez aplicado o efeito borrão se dará para fora dos limites da imagem.

Parâmetros para Borrar :

Aqui podemos definir o tamanho do borrão *(comprimento) e o seu angulo de aplicação quando assim aplicável.

De posse disto, selecione o tipo de borrão denominado “Radial”, o centro da intervenção do filtro só deve ser alterado se você realmente souber o que estiver fazendo, no caso do assunto do dia, é recomendável mas não essencial que o mesmo seja verticalmente deslocado em cerca de 100 pixel s para baixo, por exemplo se o seu trabalho tiver 800×800 pixel s de tamanho, basta alterar o campo Y para 300 pixel s, por fim, o Ângulo de ataque da intervenção do filtro deve ser superior a 160 graus, isto fará com que o centro fique liso e as bordas ligeiramente ásperas.

Satisfeito clique em “OK” e aguarde, aconselho ir tomar um café pois este procedimento costuma demorar de 1 a 4 minutos dependendo do seu equipamento e tarefas sendo executadas.

Terminado o processamento vamos literalmente tirar o nosso eclipse da escuridão atual:

Para isto, duplique a camada base e sobre esta nova camada aplique o efeito de camada aditivo denominado “Adição”:

Agora duplique esta segunda camada algumas vezes afim de potencializar o efeito que acabamos de criar =]:

e pronto!

ECLIPSE TOTAL

Voltemos para a seguinte situação :

Note que as camadas estão alinhadas para que o efeito de camada aditivo possa fazer o seu trabalho a contento:

Agora troque o efeito de camada desta para “Mesclar Grãos” e utilizando a ferramenta de espelhamento presente na interface principal do Gimp, faça espelhamento horizontal nesta camada =]:

CD Sun

Agora vamos esquentar um pouco mais as coisas da seguinte maneira:

Voltemos para o nosso primeiro final “feliz”:

Combine todas as camadas visíveis do mesmo *(caso você ainda não tenha feito isso claro=]) e crie uma nova camada transparente sobre a imagem. Depois abra o filtro renderizador “Explorador de Fractais“, a imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Uma vez aberto o filtro vamos criar um pequeno fractal liso abarrotado de ranhuras para causar choque conceitual no final deste exercício.

Para executar a tarefa proposta acima, primeiro selecione um fractal Liso *(sem deltóides) bons exemplos são “Marble” e “Marble 2”, depois escolha um esquema de cores com quebras de tons diversos, para poupar tempo, selecione diretamente o recurso “Aplicar degradê ativo a imagem final”, e escolha um dos degradês disponíveis que seja compatível com as características que estamos procurando ou caso nenhum o satisfaça basta criar um.

Feito isso, configure os parâmetros a seu gosto tendo como única diretriz inquebrável a preservação de ranhuras, como no exemplo abaixo:

Satisfeito, clique em “OK” e aguarde o processamento. Terminado o mesmo, aplique sobre a camada portadora do fractal o efeito de camada denominado “Super-Exposição”:

Para recompormos a estrutura Luminosa do nosso trabalho basta combinar todas as camadas visíveis e duplica-la, sobre a nova camada resultante deste processo aplique o efeito de camada denominado “Adição”. Caso você deseje mais luz, basta agora duplicar esta camada que recebeu o efeito aditivo =]:

Pronto, terminamos! =]:

Vejo vocês no nosso próximo assunto!

O mosquito Psicodélico DIGITAL

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 28, 2008 by phenonart

Caros aprendizes,

o que iremos fazer hoje é puramente simétrico apesar de um pouquinho complexo vamos lá?

Crie uma imagem de proporções congruentes sendo que isto não é uma obrigação e sim uma SUGESTÃO.

Criada a nova imagem vamos de pronto criar um degradê com orientação espiralada sobre a mesma, isso nos dará a base para as tão necessárias ligações simétricas que iremos criar logo mais dentro deste documento, as imagens abaixo ilustram esse processo:

Primeiro selecione a ferramenta de degradês presente na interface principal do Gimp representada pelo ícone abaixo:

Depois, dentro da interface de controle da ferramenta *(opções de ferramentas) selecione a espiral no sentido horário ou anti-horário:

Selecionada a espiral, escolha um degradê que tenha transição contínua *(como o do exemplo grifado) sem quebras de cor repentinas *(borda preta entre uma cor e outra ou um tom e outro)

Agora vamos criar o degradê dentro da nossa imagem, esse procedimento é um tanto pessoal, mas vamos a ele, clique em um ponto de sua escolha dentro dos limites da extremidade superior da imagem *(pode ser da inferior se preferir), então, sem soltar o botão do mouse arraste a parábola para as proximidades da região central da imagem em qualquer angulo de ataque e solte-a:

A imagem abaixo mostra o resultado do nosso degradê aplicado a imagem:

Feito isso vamos agora deformar a estrutura primária do nosso recém criado degradê, afim de criarmos um novo padrão estrutural que forme encaixes cortantes. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Uma vez aberto o filtro , configure o recurso “raio de deformação”  com uma valoração entre 70 e 120% e utilizando as ferramentas de moldagem denominadas “Redemoinhos”*(anti-horário e horário) misture ambos os canais a gosto como no exemplo mostrado na interface abaixo:

Satisfeito clique em “OK” e aguarde o processamento:

Agora vamos a parte fácil, duplique a camada base da imagem e sobre esta nova camada aplique o efeito de camada denominado “Somente Escurecer”:

Depois, utilizando a ferramenta de espelhamento presente na interface principal do Gimp, fala espelhamento com a orientação que desejar, no caso do exemplo abaixo foi feito espelhamento vertical.

Agora combine todas as camadas visíveis e duplique a resultante, sendo que sobre esta última aplique o efeito de camada denominado “Somente Clarear”, depois espelhe a mesma no sentido que desejar =].

Agora veja o que acontece quando o efeito de camada é alterado para o “Super-Exposição” por exemplo:

Aproveitando ainda a mesma imagem, vou ensinar uma pequena mágica para vocês, desfaçam o espelhamento e apliquem agora o efeito de camada denominado “Diferença” sobre o trabalho. Notem que a imagem ficou TOTALMENTE PRETA, isso ocorre porque este efeito de camada inverte a estrutura de tons e cores da camada onde o mesmo é aplicado de  maneira que se tornem incompatíveis com as presentes na camada inferior, o espelhamento provoca uma interseção destes tons =]!

Muito bem, agora que já nos aquecemos podemos seguir para um nível um pouco mais agressivo

Partindo deste ponto, crie uma nova imagem seguindo as diretrizes anteriores até a criação do degradê, porém, durante o processo de deformação, seja mais agressivo ao ponto de se formarem deltas dentro da imagem, isso se faz configurando uma valoração menor dentro do raio deformativo, e fazendo um uso mais prolongado do recurso ativado:

Finado o processamento, duplique a camada base e aplique o efeito de camada denominado “Somente Escurecer” para depois aplicar espelhamento no sentido horizontal =].

VIRADA DE MESA

Combine todas as camadas visíveis e aplique uma pequena mudança estrutural luminosa e colorada dentro da imagem para realçar os tons mais escondidos -=].

Agora duplique a camada resultante e sobre esta última aplique o efeito de camada denominado “Super- Exposição” =]

E este é um dos possíveis finais mais que felizes =]

VIRADA DE MESA 2

Combine todas as camadas visíveis do final anterior e duplique a resultante, sobre esta última aplique o efeito de camada denominado “Diferença” -=]:

Curioso não =]?Para compensar uma eventual perda de luminosidade basta utilizar o filtro “Mapeamento Alien” no modo “HSL” com apenas o canal de luminosidade ativado e configurar a  seu gosto.

É isso ai, vejo vocês no nosso próximo assunto!

A fumaça que não é Fumaça

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 28, 2008 by phenonart

Hoje nós vamos aprender a trabalhar com energia abstrata volátil, ou para quem desejar um termo mais simples podemos dizer apenas com  “fumaça”.

Comecemos criando uma nova imagem com tamanho sugerido de 1000×1000 pixel s, acredito que não preciso mencionar que você é livre para decidir qual é o tamanho mais  adequado para as suas necessidades.

Criada a nova imagem, vamos apresentar os caminhos que poderemos seguir para trabalhar com este conceito inapalpável mas extremamente maleável:

Então segundo a imagem acima nós temos quatro caminhos para escolher, cada um com milhares de destinos possíveis mesmo dentro de diretrizes similares, dependendo basicamente da sua imaginação, vamos a eles:

Nevoeiro:

Como o próprio nome diz esse é o efeito que tal filtro cria dentro da imagem depois de acionado

Clicando no recurso “Cor do Nevoeiro”, podemos facilmente escolher uma cor diferente da padrão do filtro através da nossa já conhecida paleta de cores:

O recurso “Opacidade” também é de fácil ajuste, bastando para tal utilizar a sua barra de valoração.

Nuvens de Diferença :

Este filtro combina a cor luz com a ausência de cor, de maneira que se possa produzir tons mistos. Não estranhe se por acaso houver uma brutal semelhança com outro filtro da mesma categoria.

O recurso denominado “Nova Semente” gera uma nova mistura utilizando as diretrizes básicas de intervenção deste filtro, para ativa-lo basta clicar sobre ele.

O recurso denominado “Randomizar” gera caminhos aleatórios dentro da semente gerada na abertura do filtro, sobrepondo isto a ação do recurso supracitado.

O recurso denominado “Turbulento” faz com que a mistura dos opostos se torne ainda mais áspera e desarmoniosa, é bem útil para criar tons mais ricos e expressivos se assim o trabalho pedir.

O recurso denominado “Lado a Lado Possível” alinha os tons concorrentes lado a lado. Para executar tal ação basta marcar sua caixa.

O recurso denominado “Detalhe” tem a sua serventia no nível de detalhamento da imagem, quanto menor for a sua valoração, mais detalhista a intervenção será.

As barras de controle de orientação tem a sua serventia na orientação da uniformização da distribuição de tons, sejam em forma dispersa *(nuvens ou fumaça) ou ainda em forma contínua *(linhas retas de tons mistos, como se pode ver na pré-visualização da interface abaixo). Sua forma de controle é muito simples:

X controla a orientação da intervenção horizontal, e Y a intervenção vertical.

Plasma:

Este se destina a criar uma nevoa com tons de cores diversas aleatórias, porém este aparente caos pode ser facilmente controlado e organizado de acordo com as nossas diretrizes, para isto vamos ver como funcionam os recursos deste filtro:

O recurso denominado “Semente Aleatória” define como será a distribuição de cores durante a interversão do filtro, sendo que tal ajuste pode ser feito manualmente bastando inserir numeração aleatória dentro do campo destinado a isto.

O recurso denominado “Nova Semente” gera uma nova mistura utilizando as diretrizes básicas de intervenção deste filtro, para ativa-lo basta clicar sobre ele.

O recurso denominado “Randomizar” gera caminhos aleatórios dentro da semente gerada na abertura do filtro, sobrepondo isto a ação do recurso supracitado.

O recurso denominado “Turbulência” faz com que a mistura das matizes seja mais áspera e caótica dependendo da sua valoração, ou seja, quanto menor ela for, mais “lisa” e harmoniosa será a mistura, e quanto maior ela for…..=].

Ruido Sólido:

Basta dizer que este filtro é basicamente idêntico ao filtro “Nuvens de Diferença” que vimos primeiro =].

Agora que já conhecemos as ferramentas para criarmos a nossa matéria prima, vamos ver algumas sugestões de uso prático em detalhes:

Cortina de Metal Escovado:

Essa é bem simples de se fazer, vamos lá,

Comecemos utilizando o filtro “Nuvens de diferença” *(ou “Ruido Sólido) da seguinte maneira:

Crie um padrão de mistura onde os tons fiquem distribuidos em linhas alternadas retas. Para isto, basta zerar a barra de valoração X para obter retas com orientação horizontal ou zerar a barra Y para orientação vertical:

Para obter uma maior variação aproveite e marque o recurso denominado “Turbulento” para obtermos mais variações.

Após a intervenção do filtro nós temos a base do efeito pretendido pronta:

Agora vamos criar as ranhuras da nossa malha, para isto, duplique a camada base e sobre esta nova  camada vamos fazer uso do filtro distorcivo denominado Vento , A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Aberto o filtro, basta zerar a valoração do recurso denominado “Limite”*(isto fará com que as listras geradas corram soltas como um flash.), ampliar a valoração do recurso “Força”*(isto irá ampliar a intensidade da intervenção do filtro). Não se esquecendo de marcar também a opção “Vento” dentro do recurso denominado “Estilo”, sendo que a orientação é livre apesar do recurso “Extremidade Afetada ter o seu ajuste preso a opção “Ambos.” . Satisfeito clique em “ok” e aguarde.

Após o término do processamento, só precisamos aplicar o efeito de camada “Luz Suave” para criarmos o efeito desejado:

Mas é preciso lembrar que existem outras variações de ranhuras que podem surgir apenas com a troca do efeito de camada=], vamos a elas:

Efeito de camada “Luz Dura“, note que as listras estão mais realçadas em relação ao restante da imagem.

Efeito de camada “Diferença“: Veja que o contraste de tons acaba por homogeneizar as ranhuras com a malha:

Apenas para colocar mais pimenta no exercício, podemos também incorporar um pequeno fractal mesclado a nossa malha como se fosse uma pintura metalica dentro da mesma, vamos lá?

Crie uma nova camada transparente e dentro da mesma crie um fractal a seu gosto utilizando para esta tarefa o filtro renderizador denominado “Fractal Explorer” , a imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Uma vez aberto o filtro podemos utilizar criar um espectro ao nosso gosto tendo como única diretriz chave a utilização de um esquema de cores que seja totalmente opositor ao padrão gerado pelas listras, um bom exemplo pode ser visto dentro da interface do filtro em ação abaixo:

Satisfeito basta clicar em “ok” e aguardar o processamento que uma vez terminado nos leva a seguinte situação:

Agora basta aplicar o efeito de camada denominado “Super- exposição” e voi-lá!

Vale também lembrar que não estamos presos a apenas este resultado, vejamos o que acontece quando trocamos o efeito de camada da camada portadora do fractal para:

Efeito de camada Multiplicar:

Efeito de camada Luz Suave

Para podermos adiantar o nosso assunto, vamos avançar para uma situação mais agressiva mas igualmente simples:

Combine todas as camadas visíveis do trabalho e duplique a resultante, espelhe esta ultima e aplique sobre a mesma o efeito de camada denominado diferença =]:

Na figura abaixo temos a ferramenta de espelhamento em detalhes, sendo que para obter o resultado abaixo foi executado espelhamento vertical sobre a nova camada resultante da duplicação.

Agora vamos passar para um estágio um pouco mais rústico e complexo, vamos a ele:

Crie uma nova imagem com o mesmo tamanho da criada para o primeiro exercício do dia, e sobre ela aplique a seu gosto o filtro denominado “Plasma”, já visto por nós no início deste documento:

Satisfeito clique em ok  e aguarde o processamento.Finito o mesmo, abra o filtro distorcivo denominado “Deformação Interativa”, a imagem abaixo ilustra o caminho até o mesmo:

Agora vamos dentro do filtro utilizar uma técnica bem simples mas extremamente eficaz que tem a sua serventia na reconstrução abstrata de objetos, a mesma se chama “distorção frozenliana” e é baseada no princípio mecânico utilizado pelas maquinas de frozen para fazer esta bebida saborosa, ou seja mistura homogênea continua irrestritiva:

Para executa-la basta deixar a valoração do raio de deformação acima de 80% *(a partir da versão 2.3 do Gimp o valor vai até 250%)  e literalmente brincar com os recursos a seu gosto -=].

Satisfeito clique em ok e aguarde o processamento.

Agora vamos utilizar o filtro artístico “Gimpressionista” afim de criarmos ranhuras para dar o ar deste movimento artístico para o nosso trabalho:


Basta aplicar a opção “Line Art2” sem alterações para obtermos o resultado desejado, porém você é livre para alterar qualquer parâmetro desejado para personalizar ainda mais o seu trabalho.

Uma vez satisfeito basta clicar em “ok” e aguardar o processamento.

Feito isso, duplique a camada base e sobre esta nova camada resultante da duplicação, aplique o filtro artistico denominado “Pintura a óleo” sobre esta última, isto fará com que o trabalho fique mais rico em tons e rusticidade e curto prazo. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Aproveitando a oportunidade vamos analisar a interface desta poderosa ferramenta:

A barra de valoração do recurso denominado “Tamanho da Máscara” tem a sua serventia em determinar o raio de ação total do filtro dentro do trabalho onde o mesmo será aplicado.

A caixa denominada “Usar mapa  de tamanho da máscara” determina se o filtro irá se basear nos detalhes mais finos da imagem durante a sua intervenção, marque este recurso caso deseje uma ação mais precisa e apurada do filtro.

A barra de valoração do recurso denominado “Expoente” determina o quão precisa será a ação do recurso anterior durante a intervenção do filtro.

A caixa do recurso “Usar mapa do expoente” amplia o grau de preservação dos detalhes da imagem durante a intervenção do filtro.

A caixa do recurso “Usar algorítimo de intensidade” tem a sua serventia em permitir configurar o nível de detalhamento da intervenção do filtro através das barras de valoração vistas nos recursos anteriores.

Satisfeito basta clicar em “ok” e aguardar o processamento.

Finito o mesmo, aplique sobre esta camada o efeito de camada denominado “Mesclar Grãos” :

Para finalizar vamos alterar um pouco a estrutura de cores a fim de dar mais vida ao nosso trabalho, para esta tarefa vamos utilizar o filtro denominado “Matiz-Saturação“. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Para simplificar e poupar tempo, basta alterar todas as matizes de uma vez só através da barra de valoração Matiz, deixando o restante dos recursos inalterados.

Satisfeito clique em “OK” e pronto! =]

Para ver o resultado do exemplo em tamanho real basta clicar na imagem abaixo:

Para quem desejar pode ainda utilizar o nosso já mais do que conhecido filtro “Mapeamento Alien” para alterar a estrutura luminosa e de cores por completo =]

E é assim que fica o nosso exemplo final do dia -=].

Muito bem aprendizes, vejo vocês no nosso próximo assunto!

The Pixel Breakers

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 17, 2008 by phenonart

Este pequeno documento foi redigido a pedido de alguns alunos das minhas turmas de EAD, acho interessante para todos compartilhar as resoluções dos pedidos deles com a comunidade pois assim o processo colaborativo só ganha força e produtividade, assim, peço a todos os que estão “chegando agora” que por favor leiam os documentos anteriores presentes tanto no blog quanto nos outros sites onde escrevo documentação, tarefa essa que ficou mais fácil com a criação de uma página aqui no blog onde todos os sites que contém documentação minha podem ser facilmente localizados.

O nosso assunto do dia trata da criação de auras digitais formadas a partir de espectros confeccionados através do choque de pixel s idênticos em sentidos diferentes. Vamos lá?

Comecemos criando uma nova imagem com tamanho sugerido de 800×800 pixel s, como sempre digo você é livre para escolher o tamanho mais adequado ao tipo de trabalho que deseja desenvolver.

Criada a imagem, vamos começar aplicando um degradê de nossa escolha sobre a mesma, para isto, basta utilizar a ferramenta de aplicação de degradês presente na interface principal do Gimp.

Abaixo nós temos o degradê escolhido para ilustrar o exemplo de hoje já aplicado, Note que a forma de aplicação do mesmo também é livre da sua parte, neste exemplo utilizei o sentido de orientação Linear com Repetição Triangular :

Agora vamos aplicar pequenos deltas a fim de criarmos uma superficie com ranhuras mais retas dispersas, para esta pequena tarefa nós iremos utilizar o filtro distorcivo denominado “Vento”. A imagem abaixo ilustra o caminho até o mesmo:

A interface do referido filtro é bem intuitiva, mas vamos rever estes de maneira que possamos extrair uma boa seqüência desta poderosa ferramenta:

Pré Visualização: Recurso vital, ele proporciona ver exatamente o que estamos fazendo com a imagem em tempo real auxiliando na aplicação do recurso desejado.

Estilo: Este recurso se aplica ao tipo de efeito que será gerado dentro da nossa imagem, o efeito “Vento” faz com que todas as extremidades e interior da figura sejam “sugados” causando um efeito mais “liso”, enquanto que o efeito denominado “Ventania é mais comedido, causando tal efeito somente nas bordas e partes mais internas da imagem, causando um efeito mais pixelizado dentro da imagem.

Direção:Este recurso comando o sentido da intervenção causada pelo filtro, que pode ser tanto para a direita quanto para a Esquerda.

Extremidade Afetada: Este recurso define basicamente o que será feito das fendas que o filtro irá criar dentro da nossa imagem da seguinte maneira : O ajuste denominado “Frente”, faz com que as partes voltadas mais para o começo da imagem se sobressaiam de maneira que estas serão a nova base da imagem como um todo no seu estado pós filtro. O ajuste denominado “Rastro”, executa a mesma tarefa, do ítem anterior, porém com o “final da imagem”.O recurso denominado “Ambos” faz com que ocorra a uniformização deste recurso seja alcançada, e é na maioria das vezes o ajuste mais adequado, como no caso deste exemplo.

Mas…onde é o “começo” e o “final” da imagem?

Muito bem, essa pergunta é simples, “o começo e o final” são determinados pelo sentido de orientação escolhido para a ação do filtro, através do recurso “Direção”, por tanto este pode ser tanto o extremo direito quanto o esquerdo dependendo da sua vontade =].

Limite: Este recurso tem como função justamente limitar o raio de ação do filtro dentro da imagem, quanto menor for a sua valoração, maior será o raio de ação do filtro dentro da imagem e vice e versa.

Força:Este recurso tem como função delimitar o quão evidente se tornará a ação do filtro no conceito da imagem, quanto maior for a sua valoração, mais presente o filtro se fará dentro da imagem.

Satisfeito basta clicar em OK.

Após a aplicação do filtro o nosso exemplo ficou assim:

Agora vamos desestabilizar a freqüência uniforme da nossa imagem através da ação massiva do filtro distorcivo denominado “Ondas”, a imagem abaixo carrega a localização do filtro citado:

A  interface do filtro é auto explicativa, porém vamos falar um pouco sobre os seus recursos e funções diversas:

Pré Visualização:Recurso vital, ele proporciona ver exatamente o que estamos fazendo com a imagem em tempo real auxiliando na aplicação do recurso desejado.

Modo:Este recurso determina o tipo de efeito a ser criado pelas ondas, a diferença é sutil mas bem visível em certos casos.

Box Refletivas:Uma vez marcada, a mesma irá repetir o efeito por toda a extensão da imagem de maneira massiva e incisiva.

Amplitude:Tal recurso permite ajustarmos a o grau de influência da intervenção do filtro dentro da imagem.

Fase:Este recurso determina qual será a fase do ciclo de vida das ondas a serem criadas dentro do filtro.

Comprimento da onda:Este recurso determina o tamanho das ondas a serem criadas dentro da intervenção do filtro na imagem.

Para criarmos o efeito desejado do dia, basta que a valoração do ajuste “comprimento da onda” seja baixa e que a valoração do ajuste “amplitude” seja alta, conforme mostra o exemplo abaixo:

Satisfeito clique em OK e aguarde o processamento:

Agora vem a solução da dúvida e consequentemente a nossa diversão: Duplique a camada base e utilizando a ferramenta de espelhamento presente na interface principal do Gimp, espelhe a nova camada no sentido horizontal, aplicando em seguida sobre a mesma o efeito de camada “Diferença”. As imagens abaixo ilustram esse processo:

A imagem abaixo mostra a ferramenta de espelhamento em destaque após a execução da tarefa com a mesma, estando ainda pendente a aplicação do efeito de camada.

Abaixo já temos o efeito de camada “Diferença” aplicado sobre o a nova camada agora espelhada:

Pois bem, isto é o choque de pixel s onde uma única cor se funde a ela mesma de maneira que as pequenas diferenças entre as estruturas luminosas invertidas possam formar novas tonalidades uniformes =]. MAS não mesmo paremos por aqui, vamos levar isso a um nível mais elevado:

Crie uma nova camada transparente sobre a nossa imagem e dentro da mesma vamos inserir um fractal a nosso gosto utilizando para esta tarefa o filtro denominado “Explorador de Fractais”, tendo como unica diretriz irredutível a orientação de cor ser feita pelo mesmo degradê que utilizamos para criar o primeiro passo do nosso trabalho. A imagem abaixo ilustra o caminho até o filtro:

Ditada a única diretriz, crie o fractal do seu gosto:

IPC:Para aprender mais sobre este recurso clique aqui.

A base para o fractal acima foi o modelo pré pronto denominado “Marble”.Satisfeito basta clicar em “OK”.

Renderizado o Fractal, aplique sobre a camada portadora do mesmo o efeito de camada denominado “Diferença”:

Agora, combine todas as camadas visíveis e duplique a resultante efetuando em seguida espelhamento horizontal sobre a nova camada criada resultante deste processo para em seguida ainda sobre a mesma aplicar o efeito de camada aditivo “Somente Clarear” ou se preferir você pode optar pelo efeito de camada subtrativo denominado “Somente Escurecer”:

Para este exemplo optei pelo efeito de camada aditivo:

Agora vamos mandar estrutura luminosa do nosso trabalho para outra dimensão e porque não a de cores também=], para esta tarefa primeiro nós precisamos combinar as camadas visíveis para depois ativarmos o nosso velho conhecido filtro “Mapeamento Alien” cuja localização pode ser vista na imagem abaixo:

Para alterar a estrutura luminosa basta que a  freqüência da luminosidade se mantenha com a valoração próxima a padrão *(de 0.45 até 1.30) dependendo da estrutura do trabalho e gosto seu, enquanto que a valoração da fase da luminosidade dependerá única e exclusivamente do seu gosto pessoal.

Finalizado o ajuste clique em “OK” e aguarde:

Para terminar vamos dar um pouquinho de volume ao nosso trabalho através da ação de um pequeno filtro denominado Gimpressionista que já foi visto por nós em documento anterior =].

Agora que você já viu uma das infinitas possibilidades de uso e aplicação do que aprendemos hoje podemos deixar o processo  da imagem anterior para o próximo assunto =], vejo vocês lá!

Line-Breakers!

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 11, 2008 by phenonart

*(Para maximizar o nível de aproveitamento deste documento por favor clique aqui caso você esteja dando os seus primeiros passos no universo da computação gráfica livre.)

Muito bem, hoje me deu vontade de pisar fundo no acelerador e levar a imaginação dos meus alunos mais antigos até a dobra vertical do elemento mais básico que é a cor luz, vai ser bem rápido =]. Vamos lá?

Comecemos criando uma nova imagem de fundo preto com tamanhos congruentes, para ilustrar o trabalho do dia 800×800 pixel s é suficiente, porém você é mais do que livre para decidir qual tamanho é o mais adequado para o seu trabalho.

Criada a nova imagem, vamos começar com um exercício simples.

Sobre a imagem, crie uma nova camada transparente e dentro desta crie um degradê espiralado que tenha início na extremidade superior da imagem de forma que o clímax da espiral fique o mais próximo possível do centro da imagem. As imagens abaixo ilustram esse processo:

Comece escolhendo e ou criando um degradê de sua escolha, dê preferência pelos modelos que apresentem quebras *(sem transformação suave). :

Não é preciso clicar sobre o editor de degradês para visualizar o modelo escolhido com maior atenção, para tal ação basta manter o botão do mouse pressionado por alguns segundos. A imagem abaixo nos mostra em detalhes o degradê que foi escolhido atendendo as diretrizes propostas acima:

Agora que podemos ver o modelo em detalhes, podemos dizer com segurança que o mesmo possui diversas quebras de cor, sendo perfeito para o trabalho a ser executado.

Para criar o espectro espiralado nos moldes requisitados basta clicar e manter pressionado o botão do mouse próximo da extremidade superior da imagem, e arrastar a parábola para baixo próxima ao centro, por fim soltando o botão do mouse quando estiver satisfeito com a trajetória .

Este é o resultado do degradê que criamos até agora:

Agora vamos efetuar ranhuras dentro do nosso degradê resultante, para este processo existem duas soluções bem fáceis de serem aplicadas, vamos a elas:

A primeira consiste em abrir a interface de controle dos pincéis e dentro do seu acervo escolher um pincel que possa criar um padrão contínuo e uniforme de ranhuras, como os vistos no exemplo abaixo:

Depois de escolhido o pincel, basta selecionar a ferramenta “Borracha” presente na interface principal do Gimp representada pelo ícone abaixo e clicar apenas uma vez sobre a figura:

Agora vamos dar volume as ranhuras modificando a freqüencia e a fase da iluminação do trabalho, e claro se assim for o nosso desejo as cores também podem sofrer alterações. Para esta tarefa, nós vamos utilizar o nosso já velho conhecido filtro “Mapeamento Alien”. Para quem não se lembra como chegar até o filtro basta acompanhar a imagem abaixo:

Como se pode notar, a valoração da freqüência de luminosidade foi alterada para um valor relativamente alto *(acima de 0.70) e o mesmo foi feito com a fase da luminosidade, gerando assim o efeito neon. A pré-visualização das frestas criadas pelas ranhuras é transparente, isso se dá porque o degradê que serviu de base para as ranhuras foi posto em uma camada transparente e as ranhuras como foram criadas utilizando a ferramenta “Borracha”, apagaram os trechos do degradê, assim criando este efeito.

Satisfeito clique em “OK”.=].

Para atiçar um pouco a sua imaginação, duplique a camada que leva o resultado da nossa ultima ação e espelhe a nova camada de modo a criar simetria ou assimetria entre as partes. As imagens abaixo ilustram esse processo:

Após duplicar a camada solicitada, ative a ferramenta de espelhamento presente na interface principal do Gimp, representada pelo ícone abaixo:

Em seguida, aplique a ferramenta sobre a nova camada, para tanto, basta clicar sobre a imagem para que a ferramenta faça o seu trabalho. Para inverter a orientação da ferramenta basta pressionar a tecla “Ctrl” do seu teclado durante o uso da mesma.

=].

Agora vamos a segunda solução, esta é para quem não possui um set de pinceis como o que utilizei, mas igualmente eficaz.

IPC: Caso você deseje enriquecer o seu acervo de pinceis por favor acesse este link. Para encontrar os pinceis basta digitar a palavra “brushes” no campo de pesquisa, lembre-se que o Gimp passou a suportar os pinceis da ferramenta paga*(o produto da adobe) desde a versão 2.4.0 .

Comecemos do ponto onde o degradê acabou de ser criado dentro da camada transparente, na interface principal do Gimp, selecione a ferramenta Belzier identificada pelo ícone abaixo:

Crie as ranhuras ao seu gosto, a sua imaginação é o limite aqui:

Criadas as ranhuras, vamos transformar este vetor em seleção, para tanto basta clicar no botão apropriado para tal ação, presente na interface de controle da ferramenta Belzier:

Agora, selecione a ferramenta Borracha, presente na interface principal do Gimp, e aplique a mesma, dentro da seleção que acabamos de criar, isso fará com que as ranhuras finalmente se tornem visíveis, como na solução anterior:

agora basta desfazer a seleção, e pronto! Os procedimentos a partir deste ponto são igualitários para ambas as soluções propostas:

Para finalizarmos a nossa tarefa do dia, vamos criar um tabuleiro simétrico a partir da imagem que acabamos de criar, para tanto combine todas as camadas visíveis, copie a resultante e crie uma nova imagem com tamanho assimétrico proporcional ao seu monitor, no meu caso como é um monitor de 19 polegadas vou criar uma com 1600×1200, porém você é livre para seguir outro parâmetro que desejar.

Criada a nova imagem, cole a imagem feita anteriormente em forma de nova camada. Depois duplique esta camada 3 vezes e por fim, utilize a ferramenta de espelhamento presente na interface principal do gimp em conjunto com a ferramenta de movimentação de maneira que todas as camadas se encaixem formando uma figura simétrica e congruente :

Eu disse que tinhamos acabado mas não, vamos agora aprender a executar ajustes extruturais de cor a fim de criar objetos simétricos e assimétricos a partir de um processo bem prático derivado do que aprendemos aqui :

Crie uma nova imagem com tamanho a gosto, para ilustrar o exemplo escolhi 500×500 pixel s. Dentro desta imagem, crie um degradê seguinte as diretrizes do princípio deste documento, ou seja, escolha um modelo que possua quebras de cor e com a parábola partindo da extremidade superior da imagem, até a parte central da mesma. Feito isso, crie uma camada transparente sobre o degradê:

Sobre esta camada transparente, aplique o efeito de camada denominado “Extrair grãos” e reduza a sua opacidade para 20%, depois, selecione a ferramenta “Pincel” presente na interface principal do Gimp, e crie uma pequena composição conceitual com uma quebra de segmentação, ou seja, aplique um pincel e depois aplique outro com a ferramenta “Borracha” selecionada, isto fará com que o seguimento seja quebrado mostrando assim o desenho do pincel aplicado com a ferramenta “Borracha” anexado ao primeiro feito com a ferramenta pincel. As imagens abaixo ilustram esse processo:

A imagem abaixo mostra apenas um pincel aplicado com a ferramenta pincel sem alterações.

Aqui já temos a “quebra” de segmentação mencionada após a aplicação de outro pincel de mesmo conceito aplicado através da ferramenta “Borracha”:

Agora temos um ítem opcional mas muito bacana, que é um destaque a composição, vamos a ele:

Crie uma nova camada transparente e sobre ela, aplique o efeito de camada denominado “Luz suave”, reduzindo em seguida a opacidade da mesma para 20%, feito isso, escolha um pincel que se encaixe no conceito do seu trabalho, ou mesmo crie uma pequena composição sobre esta camada =]:

Como podemos notar, o conteúdo desta camada está destacado do que criamos anteriormente =].

Agora, combine todas as camadas visíveis e aplique o filtro “Mapeamento Alien” sobre o trabalho invertendo apenas a estrutura luminosa do trabalho como fizemos anteriormente dentro deste documento:

Como podemos notar, a inversão estrutural luminosa amplifica também o conceito do trabalho =]

E para finalizar você ainda pode duplicar a camada base e espelhar a nova camada criada aplicando sobre esta ultima o efeito de camada denominado ‘Somente Escurecer” =] :

E para os meus alunos dos cursos online deixo este pequeno desafio: Como cheguei ao resultado abaixo?

Vejo vocês no nosso próximo assunto! =]

Como nasce um novo Degradê?

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Fedora, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial on julho 3, 2008 by phenonart

O documento de hoje é um pouco “Braçal” mas ainda sim acho divertido, vamos aprender a criar novos degradês para ampliar a oferta deste recurso tão apreciado por nós dentro do Gimp, vamos lá?

Vamos começar analisando a estrutura da interface portadora dos recursos e da lista de degradês disponíveis no Gimp:

Como podemos ver, a gama de opções pré-fabricadas é vasta chegando até mesmo a requisitar uma barra de rolagem para que se possa ver todas as opções oferecidas. Para escolher um degradê para uso, basta dar um clique sobre o escolhido e selecionar a ferramenta de degradê presente na interface principal do Gimp.

Prosseguindo, vamos agora descobrir para que serve o misterioso ícone da direita:

Este pequeno ícone aparece em praticamente todas as janelas soltas do Gimp, sendo que a sua presença mais marcante pode ser notada na interface principal do Gimp, sua função é adicionar novos recursos a janela na qual estamos trabalhando nos permitindo inclusive acrescentar abas a mesma =]:

Clicando sobre o referido ícone somos apresentados ao seu menu de opções primário:

Como podemos ver na imagem abaixo, temos controle total sobre a janela.

Veja como é fácil adicionar outras ferramentas a janela na qual estamos trabalhando, basta clicar sobre a ferramenta que se deseja adicionar!

Este recurso também propícia uma ótima maneira de se trabalhar com a ferramenta na qual estamos trabalhando, veja abaixo o que acontece quando se opta por mostrar o “Menu de Degradês”, que é a nossa ferramenta do dia:

Aproveitando ainda a imagem abaixo, podemos notar que a mesma é auto explicativa, reparem também que estes ícones não são diferentes dos presentes por exemplo na interface de controle de camadas ou na de pincéis por exemplo. Tais ícones também estão presentes na extremidade inferior da interface de degradês, o que torna a vinda a este menu uma outra solução além do acesso direto pelos ícones ali presentes.

De pronto vamos criar um novo degradê, para esta tarefa podemos utilizar qualquer um dos caminhos vistos acima.

Após ordenarmos a criação de um novo degradê somos apresentados a interface de edição e criação de novos degradês:

A imagem abaixo nos apresenta a interface do editor, seu uso é muito simples começando pela escolha do nome do novo recurso a ser criado, para tanto basta escrever o nome desejado onde se encontra a inserção denominada “Sem título”.

Abaixo do nome que escolhemos para o nosso novo degradê, podemos visualizar o mesmo em sua forma primária, ou seja, o novo recurso já foi tecnicamente criado bastando agora executar a sua personalização.

Ainda na interface vista abaixo temos uma pequena aste branca que controla a predominância de um lado sobre o outro, por exemplo, para se ter uma maior presença da cor escolhida do lado direito, basta mover a pequena aste para a esquerda e vice e versa =]. Além da mesma, temos também nas extremidades do degradê duas astes negras que delimitam os limites de um determinado seguimento, porém como todo novo degradê por padrão começa com apenas um único seguimento podemos prosseguir por enquanto deixando esta parte mais para o final deste documento.

A caixa “Atualização Instantânea” permite que as alterações sejam vistas em tempo real.

Como alterar as cores básicas de ambos os lados?

O procedimento é bem simples, basta clicar com o botão direito do mouse sobre qualquer ponto do degradê, feito isso teremos acesso a um menu que comanda ambos os lados,  para simplesmente alterar a cor de um lado, basta clicar sobre o desejado, por exemplo, se eu desejar alterar a cor do lado esquerdo, basta que eu clique em “Cor do Ponto do Canto Esquerdo” =]:

Depois de ativar o recurso somos apresentados a paleta de cores, uma vez satisfeito basta clicar em “OK” e pronto=]:

A interface da paleta de cores é idêntica em ambos os lados, abaixo temos um exemplo com o canto esquerdo:

Carregamento de cor o que é e para que serve? O carregamento de cor consiste em configurar uma determinada cor previamente utilizada em outra tarefa em substituição a alguma que esteja presente em um dos lados do nosso novo degradê, este recurso tem a sua serventia no tempo que ele economiza já agrupando tais cores em um submenu próprio onde basta escolhe-la clicando sobre a mesma. Para ativar tal recurso basta navegar pelo submenu “Carregar Cor da Direita de” ou “Carregar Cor da Esquerda de” respectivamente.

Abaixo nós temos um bom exemplo de lista de opções apresentadas dentro do recurso “Carregamento de Cor”:

Espelhar seguimento? Para que serve e o que é?

Esse recurso consiste em inverter a orientação direcional de um determinado seguimento ou mesmo do degradê inteiro, bastando para isso clicar sobre o recurso. A imagem abaixo ilustra a localização do mesmo:

Replicar Seguimento? O que é e para que serve?

Este recurso cria novos seguimentos dentro do nosso degradê,  quando criamos um novo degradê por padrão ele é criado com apenas um grande seguimento que comporta suas duas cores primárias *(canto esquerdo e direito) , quando fazemos uso deste recurso podemos dividir este primeiro grande seguimento em quantos desejarmos a fim de criarmos novas possibilidades de quebras de cor ou mesmo transições uniformes. As imagens a baixo nos mostram o processo na prática:

Abaixo temos o recurso em destaque :

A imagem abaixo ilustra a interface do recurso mencionado, note que quanto maior for a valoração da barra , mais seguimentos serão criados. Satisfeito basta clicar em OK.

A baixo nós temos o resultado da criação dos seguimentos, sendo que para a imagem abaixo o ajuste do recurso foi de 3 seguimentos.

Como se pode notar na imagem acima, cada seguimento é demarcado por astes pretas *(triangulos) que se posicionam no começo e no termino de cada seguimento. Vale também destacar que assim que a ferramenta de replicamento termina o seu trabalho, todos os seguimentos ficam selecionados por padrão, isso se nota pela barra azulada que percorre todos os seguimentos, para trabalhar com apenas um deles basta clicar em qualquer ponto entre o seu começo e fim, representados pelas suas astes negras, a imagem abaixo mostra um bom exemplo:

Como podemos ver, temos apenas um seguimento selecionado, a imagem abaixo mostra também a aste branca deste mesmo seguimento sobre a aste preta demarcadora em razão de a cor do lado direito estar se sobrepondo sobre a do esquerdo.

Além disso, cada seguimento tem ajustes de cor independentes, por exemplo, podemos escolher a cor do canto direito ou esquerdo de qualquer seguimento bastando clicar sobre ele com o botão direito sobre qualquer ponto do seguimento desejado para obter acesso ao menu de opções previamente visto aqui,  isso mesmo você pode ter acesso a todas as opções normalmente pois cada seguimento independe um do outro :

Como eu excluo um seguimento?

Basta selecionar o seguimento a ser excluído, acessar o menu de opções utilizando o botão direito do mouse e clicar na opção “Remover Seguimento” =]:

E na prática?

Agora que estudamos a estrutura de trabalho primária deste vasto recurso vamos agora verificar alguns exemplos de construções de degradês:

Construção Uniforme com ou sem pausas:

Uma construção uniforme é obtida quando criamos seguimentos semelhantes em tonalidade e amplitude de cor, ou quando o canto direito e esquerdo tem suas cores interligadas*(isso no caso de ser um degradê de seguimento único), por exemplo, no caso do degradê ser laranja, bastaria que a outra extremidade*(canto) ficasse mais próximo do magenta =].

Construção Asinérgica bipartida ou contínua:

Aqui temos dois pólos de cores e tonalidades diferentes sendo que cada seguimento realmente independe do outro em conceito, isto por que um busca uma objetivo que é a separação completa, a linha “negra” no meio é o que representa isso de forma clara no caso de uma construção bipartida, no caso de uma contínua não a vemos, isto porque para obter uma construção contínua, basta que na fabricação seja utilizado apenas um seguimento *(o padrão) e não dois como no exemplo abaixo.

Mas… como essa linha foi fabricada para explicitar a separação?

Isto requer um pouquinho de precisão mas não é nenhum absurdo, vamos lá :

Basta que a aste branca do primeiro seguimento criado seja movida até bem perto dos limites do mesmo para que se forme um pequeno “vão” entre os dois seguimentos, e depois basta repetir o procedimento com o segundo seguimento se assim for do seu desejo para que uma divisão igualitária se forme =]:

Livro Aberto:

Parece difícil mas não, de fato é bem simples fazer esse tipo de construção que consiste em deixar uma abertura em algum ponto do degradê a ser fabricação e uma quebra de cor no fim ou começo:

Comece dividindo o novo degradê em três seguimentos utilizando a ferramenta de replicação já vista por nós, em seguida aplique sobre dois seguimentos em ordem da direita para a esquerda dois tons de cor semelhantes deixando o terceiro com um diferente, Agora, selecione o segundo seguimento e mova sua aste negra na direção do terceiro seguimento *(isso mesmo! você pode mover a aste negra de maneira que a mesma amplie os limites do seguimento do qual a mesma demarca espaço!) . Quanto a linha bipartida, basta mover a aste branca do segundo seguimento até bem próxima do limite para que o “vão” seja formado=].

FLAPS:

Este tipo de construção também não requer muita prática e sua aplicação sempre é eficiente. Basta replicar o novo degradê a gosto e criar um “vão” negro na posição em que você desejar, para isto movendo a aste branca do seguimento selecionado =].

Criados os degradês agora basta apenas salva-los e utiliza-los =], abaixo nós temos alguns exemplos dos novos degradês em ação:

Muito bem, vejo vocês no nosso próximo assunto! =]

Razgriz.

%d blogueiros gostam disto: