Arquivo para junho, 2009

Quando a borda abraça a letra

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial with tags , , , , , , , , , on junho 27, 2009 by phenonart

Caros,

o documento do dia vem tratar de um pedido um tanto quanto pedido por vocês que é a criação de textos  com bordas salientes. Comecemos abrindo o Inkscape .

Agora escolha ma fonte e digite um texto ou palavra de sua escolha :

enb1

Feito isso vamos agora eliminar o preenchimento interno do nosso objeto e adicionar borda ao mesmo:

Para isto acesse a interface de preenchimento do objeto e elimine primeiro o preenchimento interno do objeto assim como foi feito no exemplo abaixo:

enb2

Agora acesando a aba denominada “Pintura de Traço”, atribua uma cor sólida a borda do objeto:

enb3

Agora amplie a largura da borda a níveis astronômicos de maneira que a mesma invada literalmente o vazio interno do objeto:

enb4

Feito isso, duplique o objeto *(Ctrl + d) e faça o processo inverso ao que acabamos de executar, ou seja,  elimine o preenchimento de traço

e deixe o novo objeto com preenchimento sólido:

enb5

Agora pressionando a tecla “Ctrl” alinhe o novo objeto com o original de modo que o novo fique dentro do mesmo, depois atribua uma nova cor contrastante com a do objeto original:

enb6

Agora um pouco de brilho:

Duplique o novo objeto e preencha-o com a mesma cor da borda do primeiro objeto, em seguida mova-o delicadamente e de forma tênue para qualquer direção como no exemplo abaixo:

enb7

Feito isso  aplique degradê linear sobre o objeto no qual estamos trabalhando:

enb8

Agora utilizando a ferramenta de reposicionamento de degradês, recalibre a estrutura luminosa de maneira que a mesma abranja todo o objeto de baixo para cima ou de cima para baixo de maneira relativamente uniforme

enb9

Agora, crie uma pequena arte usando oque você aprendeu hoje e exporte o trabalho para que possamos termina-lo no Gimp:

enb10

enb11

Eis aqui o arquivo exportado:

text3302

Agora que estamos no Gimp, crie uma nova camada transparente sobre o trabalho:

enb12

Agora crie uma pequena composição com pinceis dentro desta camada utilizando a cor atribida a “borda” de contorno do objeto:

enb13

Agora repita o mesmo processo aplicando o pincel com ligeira diferença de local proporcionando volume, utilizando como cor de preenchimento do pincel  branco:

enb14

Eis oque temos até aqui:

enb15

Hora do nosso “pulo do gato” : Aplique sobre esta camada o efeito de camada denominado “Sobrepor” e veja oque acontece:

enb16

Agora basta adicionar um fundo qualquer e estamos prontos para o uso =] , no caso este exemplo não tem fundo definido deixando isso a cargo da cor oficial do meu pensamento.

enb17

E para casa -=]… Crie uma composição de conceito livre utilizando os conceitos hoje aqui abordados.*(dedicado ao CCA-BR*)

enb18

Dito isso meus caros, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Anúncios

Meta-LUZ

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , on junho 22, 2009 by phenonart

Caros,

Hoje nós vamos literalmente inverter o conceito estrutural luminoso por trás da projetação de sombra em um objeto, dito isso vamos direto ao ponto:

abra uma nova imagem de tamanho a gosto, em seguida crie uma nova camada transparente e sobre a mesma crie uma pequena composição branca com pinceis sólidos ou aplique um único se desejar:

metalu1

Eis aqui a composição concluída:

metalu2

Agora vamos duplicar a camada portadora da nossa composição. Em seguida selecione a camada original portadora da nossa composição, é esta camada que irá sofrer a ação do filtro denominado “Borrão de Movimento” cuja tarefa é dar volume ao nosso trabalho:

metalu3

Uma vez aberto basta determinar um angulo de ataque inferior de sua preferência*(Imagine uma esfera com seus 360 graus, descarte a parte superior e foque na inferior), depois basta escolher o comprimento, quanto maior for a valoração do comprimento mais longo será o rastro gerado pelo desfoque canalizado ao angulo definido, porém é preciso cautela com relação a valoração do comprimento pois o objeto que sofre a ação perde parte da sua estrutura luminosa quando o filtro é aplicado:

metalu4

Após o filtro realizar a tarefa temos:

metalu5

Hora de irmos direto aos novos horizontes proporcionados pelo assunto do dia:

Duplique a camada que sofreu a ação do filtro e sobre esta última aplique o efeito de camada denominado “Diferença”:

Note que essa ação valorizou os traços do trabalho e volume =].

metalu6

Continuando, delete a camada que recém criamos para dar volume aos traços e aplique o efeito de camada “diferença” sobre a camada do topo e veja oque acontece:

Isso mesmo! Agora temos volume interno =]:

metalupre6

Agora vejamos oque acontece quando duplicamos esta mesma camada =] :

Isso mesmo! Obtemos metal pré-vidro =] :

metalupre7

Pré-vidro?

Sim, vamos a ele: Crie uma nova camada transparente e aplique um pincel branco de sua escolha, em seguida aplique o efeito de camada denominado “sobrepor” sobre esta camada:

Pois bem, repita quantas vezes quiser =]:

metalupre9

metalupre10

Para os “calejados”:

Oque acontece quando combinamos as camadas visíveis e pós simetria provocamos uma inversão dos valores?

Justifique sua resposta com base no proposto abaixo:

metalupre11

metalupre12

Dito isso meus caros, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Além do espaço fábrica

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz with tags , , , , , , , , on junho 20, 2009 by phenonart

Caros,

acredito que chegou o momento de começar a falar das extensões *(scripts, filtros e ferramentas que não vem de fábrica com o Gimp) feitas para o Gimp afim de ampliar ainda mais a diversidade de técnicas e oportunidades de criação com o software em si. Porém não pensem que tais ferramentas irão fazer todo o trabalho por você pois tudo que é bem feito exige esforço e dedicação e eu sempre irei exigir isso de todos os que forem meus alunos não importando assim quem seja.

Comecemos o assunto do dia aprendendo como adicionar este tipo de recurso no Gimp:

Antes de mais nada aqui vão algumas boas fontes para a obtenção de recursos adicionais:

http://gimpscripts.com/?page_id=5 (Boa fonte apesar de alguns serem rudimentares)

http://browse.deviantart.com/?qh=&section=&q=gimp+scripts *(obviamente que não podemos esquecer do “DA” com sua fonte praticamente ilimitada.)

http://registry.gimp.org (Claro, o próprio registro oficial do Gimp.)

Após baixar o recurso desejado, recomendo criar uma pasta onde achar melhor para catalogar os recursos por tipo e modo de atuação, feito isso descompacte o arquivo dentro da pasta e crie uma nova para armazenar o efeito descompactado. A imagem abaixo mostra um bom exemplo deste tipo de organização, isso é útil para backup e também para o caso de você querer repassar aos seus contatos depois :

fabrik1

Agora vamos colocar o nosso novo recurso em seu destino final:

Como mencionei antes os recursos se desmembram em categorias diversas, mas seu metodo de instalação é muito simples, basta colocar o novo recurso em sua pasta correspondente dentro da pasta que abriga o programa. Dito isso, vamos a ela:

Repare como a pasta que abriga o programa facilita a tarefa de alocar os recursos, bastando copiar e colar o recurso na pasta correta. No caso do exemplo do dia, o recurso que eu escolhi é um script, assim sendo devo coloca-lo na pasta denominada “script” =]:

fabrik2

Agora basta colar o arquivo na pasta e podemos fecha-la:

fabrik3

Agora basta recarregarmos os scripts do Gimp e o novo recurso já estará pronto para uso:

fabrik4

Agora vem aquela pergunta básica:

“Raz, mas onde foi que o Gimp colocou o recurso que eu instalei??!”

Para  descobrir onde está o nosso novo recurso basta verificarmos a sua localização dentro do próprio script, isso se faz da seguinte maneira:

Vamos abrir o script que acabamos de instalar com um editor de texto:

então botão direito do mouse:

fabrik5

Após aberto somos transportados as entranhas do código do nosso script, aproveite e ganhe algum tempo apreciando as ordens que o mesmo dá ao Gimp, no futuro quem sabe você também não acaba criando um script automatizando tarefas ? =]

fabrik6

fabrik7

Agora repare na ultima linha do script, ela traz a localização exata do nosso novo recurso instalado dentro do programa =]:

fabrik8

Agora que já sabemos onde ele esta, basta ir até ele :

fabrik9

Aproveitando a oportunidade vamos agora falar um pouquinho sobre este script que eu instalei para ilustrar o exemplo do dia:

Seu nome é National Geographic e segundo o autor *(Samuel Albrecht-encontrado em http://registry.gimp.org) o script recebeu este nome por ter a sua serventia em simular a assinatura da estrutura luminosa vista nas imagens da revista e canal de tv que também levam este nome, devo dizer que tal nome é até bem apropriado =]. Dito isso vamos as suas ferramentas e serventias:

P.s: tem muita gente que reclama quando algo não está escrito em seu idioma local, note que o autor do recurso que você deseja instalar não tem a obrigação de traduzir nada para outros idiomas, cabendo isso a você mesmo se desejar, então, PARE de reclamar e faça algo se assim for do seu interesse. Aos demais peço desculpas pela rispidez.

Shadow Recover Opacity:Este recurso tem a sua serventia em recuperar a opacidade das sombras, ou seja quanto mais alta a sua valoração, maior será o destaque das sombras dando mais vida e ampliando a perspectiva da imagem.

Sharpness: Este recurso tem a sua serventia em ampliar o destacamento das bordas setoriais da imagem, ou seja, quanto maior for a  sua valoração mais “aguçada” será a imagem não importando o nível de desfoque em outras áreas.

Screen Layer Opacity: Este recurso tem a sua serventia em determinar a opacidade da primeira camada que o script irá criar a fim de amplificar o volume da estrutura luminosa da imagem, ou seja quanto maior, mais luz a imagem terá e quanto menor esta for menos luz ela terá.

2. Overlay Layer Opacity:Este recurso tem a sua serventia determinar a opacidade da terceira camada que o script irá criar a fim de amplificar o volume da estrutura luminosa da imagem, ou seja quanto maior, mais luz a imagem terá e quanto menor esta for menos luz ela terá. Vale lembrar que esta camada tem a mesma função da primeira que o recurso criou então elas se auto complementam.

Local Contrast:Este recurso tem a sua serventia em determinar o contraste da imagem.

Layer Mask for the Screen Layer:Este recurso tem a sua serventia em deixar a mascara da camada denominada Screen visível para edição.

fabrik10

Agora antes de dar o “ok” vamos dar uma olhada na imagem antes da aplicação do script, feito isso deixe o recurso trabalhar:

fabrik11

Agora temos a mesma imagem pós script:

fabrik12

Acredito que as mesmas falam por si só. Para finalizar, deixo com vocês o dever de casa dedicado aos meus ex alunos do CCA-BR:

Como este gif foi criado? Justifique sua resposta. *(p.s : Carvelho se você disser “conceito” de novo vou fazer vc e os demais “processos” pagarem a minha cerveja.)

fabrik13

Dito isso meus caros, vejo vocês no nosso próximo assunto =]

Text Falls

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial with tags , , , , , , , , , , , on junho 17, 2009 by phenonart

Caros,

o assunto do dia remete a uma ex namorada minha *(pois é essas coisas acontecem…sabem como é.) , um dia após sairmos de um “drive-in”*(cinemas ao ar livre onde se estaciona o carro para ver um filme, geralmente são equipados com lanchonete e alguns até possuem um parque de diversões “clássico” ao lado ou dentro, onde morei nos EUA haviam dois a uma distancia razoável que era possível ir numa boa) ela me perguntou : “Por que as nuvens parecem letras em forma de cascatas? Não vou dizer oque eu respondi a final isso não é assunto pra hoje mas sim dizer que vamos aprender a criar objetos derivados de tipografia com esse conceito.

Comecemos digitando um pequeno texto no Inkscape:

Textf1

Hora do “recreio”, digitado o texto ou letra, escolha uma fonte que lhe agrade:

Textf2

Feito isso, descarte as letras que por ventura você não goste deixando o trabalho  com menos volume:

Textf3

Agora dê um zoom ou amplie o tamanho do objeto e em seguida duplique-o*(Ctrl+D). Após duplicar o objeto preencha o novo de branco:

Textf4

Agora mova delicadamente o objeto branco até que se forme alguma profundidade:

Textf5

Feito isso, selecione ambos objetos do trabalho, isto porque iremos agora transformar-los em um comum mantendo a forma adquirida:

Textf6

O recurso denominado “Diferença” será o responsável por isso preservando apenas os trechos não comuns aos dois objetos:

Textf7

Muito bem, hora de dar o descenso desejado ao nosso objeto, o grande responsável pela mágica do dia é o filtro denominado “Extrudir” cujo caminho pode ser visto abaixo:

Textf8

Bem, a coisa é bem simples, angulo de 90 graus para dar as nossas retas concorrentes e magnitude a seu gosto para determinar o comprimento:

Textf9

Eis oque temos:

Textf10

Vamos agora adicionar um contorno para melhor definirmos o formato do nosso objeto:

Preencha o traço *(borda) com branco :

Textf11

Opcionalmente podemos reforçar o nosso traço ampliando a sua largura:

Textf12

Hora de exportar o nosso objeto=]:

Textf13

O tamanho é a seu gosto =]:

Textf14

Agora abra a imagem exportada no Gimp juntamente com alguma textura de seu interesse, isso porque vamos mostrar uma das vastas opções de uso deste recurso. Abertas as imagens cole o desenho criado por você em forma de nova camada sobre a textura escolhida:

Textf15

Agora aplique o efeito de camada denominado Sobrepor:

Textf16

Agora duplique a camada do desenho sobre a textura e inverta as cores desta camada:

Textf17

O desenho sumiu? =]

Textf18

Agora experimente mover ligeiramente a camada na qual estamos trabalhando =]:

Textf19

Deletando a camada com o desenho em preto e duplicando a camada agora branca temos? =]

Não exatamente o exemplo abaixo isso porque usamos a borracha na nova camada para criar uma variação na estrutura luminosa final do trabalho=]

Textf20

Textf21

Dito isso meus caros, vejo vocês no nosso próximo assunto!=]

Catch the Patch

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, tutorial with tags , , , , , , , , , , on junho 16, 2009 by phenonart

Caros,

Hoje nós vamos visitar um assunto que remete novamente a geometria e volume, aprenderemos com este documento a criar objetos volumétricos formados a partir de objetos concorrentes de tamanho congruentes.

Comecemos criando um novo documento no Inkscape, isso vai nos  poupar algum tempo quanto ao alinhamento distribuição e criação da matéria prima do dia. Feito isso crie dentro do programa citado um pequeno retângulo ou forma geométrica do seu interesse com preenchimento interno branco e borda preta:

panel1

Para preencher a nossa borda basta acessar a aba denominada “Pintura de Traço” dentro do menu de preenchimento de cores e fazendo uso da roda determinar a cor desejada:

panel2

Feito isso, utilizando o comando “Crtl + D” duplique o nosso objeto algumas vezes deixando os concorrentes pressionando a tecla “Ctrl” enquanto os arrasta:

panel3

Repita o procedimento algumas vezes e em seguida delete alguns objetos de forma aleatória, isto porque assim nós podemos determinar os pontos onde o nosso objeto apresentará “trechos ausentes” ou seja como se o mesmo ainda estivesse sendo realmente construído =]:

panel4

Muito bem, agora exporte os objetos para png, isso porque o Gimp assumirá os trabalhos:

panel5

Exporte apenas a seleção *(sim selecione todos os objetos que você criou), o tamanho também é com você, quanto maior “melhor” =]:

panel6

Feito isso, abra a imagem no Gimp:

panel7

Como desejamos um objeto congruente vamos agora criar uma nova imagem de fundo transparente e altura e largura de mesmo tamanho da largura da imagem original:

panel8

Criada a nova imagem, crie uma nova camada preenchida de branco e deixe-a invisível, depois copie e cole a imagem original em forma de nova camada , em seguida duplique a camada derivada da imagem original e posicione a na parte de baixo da nova imagem da maneira que melhor lhe convier:

panel9

Agora combine as camadas visíveis do trabalho que compõem o objeto  fazendo uso da ferramenta de seleção retangular, selecione um grande fragmento da imagem, como por exemplo a metade de cima ou de baixo. Opcionalmente você pode deixar a camada de fundo visível novamente:

panel10

Hora do nosso filtro volumétrico favorito, ele se denomina “Mapear Objeto” e o caminho até o mesmo pode ser visto abaixo:

panel11

Uma vez aberto podemos selecionar qualquer uma das formas base, para ganhar tempo já que renderização exige processamento vamos escolher a forma denominada “esfera” neste primeiro momento:

Não se esqueça de ordenar fundo transparente e a criação de uma nova imagem para preservarmos o original. Note que o filtro já mostra as divisões que planejamos =]

panel12

Agora basta definir a perspectiva do objeto =]:

panel13

Voilá!

A qui temos o exemplo sob fundo branco=]:

panel14

Selecionando outros fragmentos do nosso objeto e aplicando o filtro nós temos:

panel15

Outro exemplo a partir de outra visão=]

panel16

Mas e se nós quisermos ir mais “adiante”?

Hum…selecione os retângulos brancos através da ferramenta de seleção por cores:

panel17

Agora crie uma pequena composição com pincéis sobre a seleção =]…

panel18

Depois faça uso do nosso querido filtro novamente =]:

panel19

É isso!

panel20

Então meus caros hoje nós vimos como criar objetos volumétricos a partir de outros menores de forma diferente =]

panel21

Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto! =]

O Calçadão do pontal

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais with tags , , , , , , , , , , , on junho 4, 2009 by phenonart

Caros,

o assunto do dia remete aos “calçadões” que estão presentes em diversas cidades do Brasil e mundo a fora. Dentre os mais famosos podemos citar o de Copacabana, sendo reconhecido como um dos grandes ícones do Rio de janeiro.

Dito isso vamos hoje aqui aprender a criar um padrão muito similar ao deste tipo de pavimento :

Comecemos criando uma nova imagem de fundo branco de tamanho a sua escolha:

cal1

Hora de acionarmos a ferramenta que fará boa parte da mágica do dia, seu nome inclusive é bem apropriado:

cal2

Como sua interface é auto-explicativa deixo os ajustes de configuração a seu gosto, sendo que para o exemplo do dia a configuração padrão no momento é satisfatória bastando autorizar o filtro a trabalhar:

cal3

Eis o resultado da ação do filtro:

cal4

Mas… o pavimento feito de pedras portuguesas não costuma ter um certo aspecto de desgaste?

Sim, para um resultado mais fiel, basta ativar o parâmetro denominado “Pastilhas com relevo” =]:

cal5

Eis oque temos agora:

cal6

Agora que já temos a base do nosso pavimento, vamos agora acrescentar um desenho contrastante, afinal o que seria um calçadão sem uma arte contínua? =] Muito bem, crie uma nova camada transparente e torne invisível a camada base. Depois sobre a nova camada crie uma pequena composição com pinceis utilizando como cor de preenchimento “branco”*(ou diga-se “cor-luz” em RGB)

cal7

Depois duplique esta mesma camada e aplique simetria a nova camada resultante fazendo uso da ferramenta de espelhamento presente na caixa de ferramentas do Gimp:

cal8

Agora combine as camadas visíveis do trabalho afim de tornar o desenho pertencente a uma única camada:

cal9

Agora torne novamente a camada do nosso pavimento visível:

cal10

Hora do nosso grande pulo do gato: Aplique sobre a camada portadora do desenho que criamos o efeito de camada denominado “Diferença” e veja oque acontece=]:

cal11

Eis aqui:

cal12

E quanto a outras variações sem sair do mesmo tom?

Vejamos, se por acado combinarmos as camadas visíveis, duplicarmos a resultante, espelharmos a mesma e ainda sobre esta aplicarmos o mesmo efeito de camada denominado diferença temos?

cal13

Eis aqui:

cal14

E o que acontece se trocarmos o efeito de camada para o denominado “Somente Escurecer”?

cal15

Eis aqui:

cal16

Muito bem meus caros, este era para ser o trabalho de casa de vocês mas reservei algo mais complicado. =] Crie um novo padrão simétrico utilizando o princípio das construções aditivas e subtrativas =].

Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto! =]

%d blogueiros gostam disto: