Arquivo de inkscape

O nome disso é Vitória: Lançado o Grupo de Interesse 4CMULTI no FISL

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, gimp, Gimp Documentação, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, O GIMP, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro, Tutoriais, wordpress with tags , , , , , , , , , , , , on julho 27, 2010 by phenonart

Caros,

novamente minha involuntária ausência se justifica :

Durante o 11º Fisl foi lançado o 4CMULTI , o primeiro espaço destinado a fomentação das ferramentas gráficas livres*(Gimp, Inkscape e Blender no Portal do Software Públco! )

Todos aqui estão convidados a se tornarem membros colaboradores desta nossa grande conquista!

http://www.softwarepublico.gov.br/4cmulti

O 4CMULTI tem como objetivo fomentar o uso de ferramentas gráficas e projetos colaborativos com este foco, bem como o compartilhamento de conhecimento e recursos entre as comunidades dos principais programas gráficos livres. A comunidade acadêmica também poderá participar do compartilhamento de tais recursos como também todos os interessados de maneira irrestrita e colaborativa.

Com a iniciativa do governo e a ONG Ser viva a computação gráfica livre alcança hoje um grau de apoio e visibilidade desejado há muito tempo. Concluindo foi um grande avanço e uma conquista para todos os que apoiam e aumejam o sucesso do segmento e do software livre em geral. Cabe também ressaltar que a histórica reunião e parceria destas comunidades não é restritiva sendo bem vindos outros projetos do seguimento que tenham como objetivo o compartilhamento de conhecimentos e talentos em prol deste ideal comum. Esperamos sinceramente que este espaço seja aproveitado em plenitude máxima por muito tempo.
Enfim meus caros essa conquista é NOSSA. Parabéns a todos.

The Geeko-Defrag

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , , on outubro 7, 2009 by phenonart

Caros,

Antes de iniciar o assunto do dia, eu gostaria de fazer uma nota de agradecimento a algumas pessoas que me apoiaram nesse momento delicado que eu e a Milla passamos antes de finalmente conseguirmos o nosso cantinho pra poder construir a nossa vida direito:

3 S Águiar: Cara você é como um segundo pai pra todos do CCA-BR e pra mim. Não há como agradecer pelo jeito que você cuida de todos nós mas saiba que estamos sempre com vc pro que der e vier.

2S Marcos Milk: Velho foi uma honra ter tido você como aluno. São caras como você que me fazem ter alguma esperança nesse país. Siga firme irmão.

Dilma: Pois é… você lembra do nosso lema que diz mais ou menos assim: “Poderia ser pior…” não sei de onde você tira humor e coragem pra enfrentar o dia a dia mas você ajuda todo mundo. Que um dia a gente possa retribuir de alguma forma! =]

Alessandro: Pois é seu MANÉ, seu irmão te AMA cara e acho que isso basta pra dizer por aqui, afinal discursos boiolísticos não são coisas de homem, isso deixemos pro WILSON.

Welbert Neves *(primo careca): Pois é, estamos ai cara e valeu mesmo por tudo, nossa casa ta sempre aberta pra vc e os demais.

Welington Neves *(Maori): Que a Manoela nasça com muita saude e que vc e a Bel sejam muito felizes cara vocês merecem.

Bruno -Mac-Cormick*( EX ALUNO e campeão do levantamento de controle de playstation 2) : Po  velho não sei como vc atura um mané chato como eu falar de problemas toda hora na sinuca e ainda dar conselhos quase sempre sábios. Valeu manin.

Miguelito *(montoya) : Apesar de tudo não esqueci das coisas que aprendi com você. Seja onde for saiba que sou muito grato por isso.

* Para finalizar eu gostaria de deixar um recado para três pessoas que são vitais pra mim:

Milla: Eu mais do que te amar, respeitar confortar e completar quero ser cada dia mais parte de ti pois a minha vida não é mais só minha. É NOSSA. Não vou a lugar algum sem você.

Amo-te.

Meus pais: A gente sempre deseja o melhor para os nossos filhos…mas nem sempre oque nós desejamos que eles façam é o certo ou mesmo o melhor. Certas escolhas dependem deles mesmos e não de nós, mas é extremamente difícil ver um filho partir para viver a vida dele, seja quando e onde for, apesar disso cabe a nós sermos fortes para torcer pela nossa cria e desejar que ele ao menos tente ser feliz independente do que este venha a fazer. Amo vocês e estou com vocês para o que der e vier.

___________________________________________________________________________________________________________________________________

Hoje nós vamos falar sobre a fragmentação de uma imagem de maneira que a mesma possa formar um novo objeto a partir dos seus traços chave. Ou seja, modificar a estrutura base da imagem de maneira que um novo desenho se forme apesar de manter as características luminosa e colorais intactas.

Dito isso, comecemos escolhendo a imagem do dia:

geeko1

Escolhida a imagem, duplique a camada base da mesma :

geeko2

Agora selecione a ferramenta “Borracha” e com a mesma crie uma pequena composição com vários pincéis ou mesmo pincel único sobre a nova camada, note que para este momento a composição se dará invisível ainda :

geeko3

Agora utilizando a ferramenta de movimentação, mova a nova camada de maneira sutil em qualquer direção :

geeko4

Voilà! eis o que temos aqui:

Ao mover a camada onde criou-se a pequena composição com pincéis sob a tutela da ferramenta “Borracha”, as lacunas criadas por esta ação tornaram-se visíveis fragmentando o objeto ! =]

geeko5

Para facilitar a vida, aqui vai um BIZU:

Tornando invisível a camada original, podemos criar a composição com a ferramenta “borracha” “vendo” oque estamos fazendo=]. P.s em certas imagens é necessário adicionar o canal alpha,  para tanto basta acessar a interface de controle das camadas e clicar sobre a camada desejada com o botão direito adicionando-o em seguida =]:

geeko6

Depois que terminar basta tornar a camada original novamente visível e mover a camada modificada =]:

geeko7

P.s : Caso você deseje ainda pode utilizar pincéis ricos em detalhes para agregar mais diversidade ao seu trabalho! :

geeko8

E por hoje o nosso exemplo do dia termina assim =]:

geeko9

Quem diria que a fragmentação de objetos fosse tão simples não?

Dito isso meus caros aprendizes, vejo vocês no nosso próximo assunto!

O vetor dentro da cor

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , on agosto 20, 2009 by phenonart

Caros,

O assunto do dia remete novamente a esfera das estruturas vetoriais, hoje veremos o processo de criação de uma estrutura vetorial vazada através da anexação de outro vetor incluindo soma e alteração estrutural luminosa de cor.

Comecemos abrindo o Inkscape e importando duas imagens para o mesmo, sendo uma generalista, rica em detalhes e outra para o conceito interno e central do trabalho:

No caso do exemplo do dia, a imagem do tigre é a imagem portadora do conceito central e a imagem da cobra a generalista:

pythontiger1

Agora selecione primeiro a imagem portadora do conceito central para que possamos criar sua estrutura vetorial de maneira primária. Como o filtro denominado “Traçar Bitmap” já é íntimo do nosso dia-a-dia deixo apenas o caminho até o mesmo adjunto de um breve comentário a respeito dos parâmetros do dia:

pythontiger2

No caso de uma imagem de conceito central de traços bem definidos e limpos como o nosso “tigre” basta utilizar uma valoração alta quanto a intensidade do brilho para que a estrutura vetorial criada preserve tais traços:

pythontiger3

Eis aqui:

Feito isso podemos deletar a primeira imagem deixando apenas o traço vetorial:

pythontiger4

Quanto a segunda imagem faremos o oposto, como a mesma é rica em detalhes, vamos deixar “fendas” na estrutura vetorial para que a estrutura vetorial criada anteriormente possa ser encaixada dentro da mesma. Isso se faz dando uma valoração relativamente baixa ao parâmetro denominado “Intensidade do Brilho”:

pythontiger5

Após o término da tarefa delete a imagem original deixando apenas a estrutura vetorial. Feito isso, amplie de maneira congruente o tamanho da estrutura vetorial recém criada *(basta pressionar a tecla Ctrl enquanto arrasta a proporção com o mouse) , isto porque nós vamos encaixar a estrutura vetorial portadora do conceito central do trabalho *(tigre) dentro da nova estrutura criada a partir da imagem generalista:

pythontiger6

Basta agora arrastar a estrutura vetorial do tigre até uma das fendas da estrutura generalista =]:

pythontiger7

Note que você pode duplicar o objeto de conceito central quantas vezes quiser a fim de testar novos posicionamentos de maneira mais rápida e eficaz:

pythontiger8

Feito isso, duplique toda a estrutura do trabalho para que você possa manter mais opções de escolha caso queira refazer este pequeno exercício no futuro:

pythontiger9

Feito isso, voltemos a estrutura original, escolha o posicionamento da estrutura portadora do conceito central que mais lhe agradou e sobre a área abrangida pela mesma crie um retângulo que a cubra de maneira satisfatória:

pythontiger10

Feito issso, Selecione agora os seguintes objetos: O  tigre, o retângulo recém-criado e a estrutura da imagem generalista descartando-se o restante:

pythontiger11

Agora faremos uso da ferramenta denominada “Clip” a fim de obter apenas a área abrangida pelo nosso retangulo descartando-se assim o restante da área vetorial construída:

pythontiger12

Pronto =]:

Note que esta ação deixou apenas a área que desejando preservando a independência entre os objetos :

pythontiger13

Muito bem, agora duplique o objeto portador do conceito central do trabalho e preencha-o com uma cor do seu interesse, no caso do exemplo do dia optei pelo branco mesmo:

Feito isso, aplique sobre o novo objeto degradê Radial :

pythontiger14

Eis oque temos =]:

Note que agora o fundo da estrutura generalista se destaca graças ao resíduo da estrutura luminosa do degradê aplicado de forma radial=]:

IPC: Para uma leve sensação de volume, mova delicadamente a nova estrutura um em qualquer direção por 1 ou 2 pixel s no máximo:

pythontiger15

Para enriquecer o destaque aos fragmentos generalistas basta duplicar o objeto que sofreu a ação do preenchimento em degradê radial de maneira que o fundo seja preenchido por completo:

pythontiger16

Feito isso, para descartar os fragmentos indesejados resultantes desta ação basta criar um novo retangulo que abranja apenas a área a ser mantida, selecionar todos os objetos e sobre estes fazer uso novamente da ferramenta denominada “Clip”:

pythontiger17

Voilà! =]

Note que agora temos apenas a área que desejamos e novamente os objetos com a sua independência intacta =]:

pythontiger18

Feito isso, podemos agora agrupar os objetos e exportar o nosso trabalho para terminarmos o serviço no Gimp com alguns pincéis de conceito compatível com o mesmo =]:

pythontiger19

pythontiger20

Primeiro precisamos criar uma nova camada de fundo branco e posiciona-la abaixo da camada original do nosso trabalho, isto porque o nosso objeto não tinha fundo no Inkscape, oque é perfeitamente normal em trabalhos vetoriais, tal fundo branco é uma relativa ilusão pois não há realmente nada ali além de transparência =]:

pythontiger21

Feito isso, crie uma nova camada transparente aplicando sobre a mesma o efeito de camada sobrepor, isso nos dá o terreno necessário para podermos criar uma pequena composição com pincéis negros de conceito compatível com o trabalho enriquecendo-o em detalhes sem polui-lo ! =]

pythontiger22

Para preencher um tanto da área em cor luz, basta criar uma nova camada transparente com opacidade em no máximo 20% para dentro da mesma terminar a sua composição com pincéis =]:

pythontiger23

E assim termina o nosso exemplo do dia! =]

pythontiger25

Então hoje meus caros nós analisamos o processo de criação de uma estrutura vetorial vazada através da anexação de outro vetor incluindo soma e alteração estrutural luminosa de cor=] , Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Grafiteiros do Front

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, O GIMP, razgriz with tags , , , , , , , , , on agosto 2, 2009 by phenonart

Caros,

esses dias andando pela rua lembrei de um pedido um tanto antigo de um aluno: “Como eu posso fazer aqueles grafites que eu vejo nas pontes, viadutos e muros de subúrbio ? ” Pois é, é exatamente isso que iremos fazer hoje.

Comecemos abrindo o Inkscape e digitando um texto no mesmo, ou se preferir crie um pequeno desenho com as fontes ou objetos de sua preferência:

graftront1

Agora, duplique o objeto criado, *(apenas para que você possa criar uma nova variante do mesmo depois):

graftront2

Agora, amplie a largura do traço para um valor astronómico acima de 50,000, isto fará com que a borda “englobe” o meio do objeto como um todo:

graftront3

Agora, para o caso de o seu objeto também ser um texto como o do exemplo do dia, vamos transformar o mesmo em caminho vetorial:

graftront4

Feito isso, vamos agora entortar a nossa estrutura vetorial, isto para formar o “entorse” que tanto se vê em grafites tipográficos como o do exemplo de hoje:

Para esta tarefa vamos fazer uso do filtro denominado “Curvar Caminho” hospedado dentro do menu denominado “Efeitos sobre caminhos” cujo caminho pode ser visto abaixo:

graftront5

Primeiro clique em aplicar e por fim no ícone de edição vetorial presente na interface do recurso, depois crie uma entorce que lhe agrade:

graftront6

Feito isso, vamos agora construir o nosso grafite, comecemos duplicando o objeto base e preenchendo sua borda de branco, em seguida mova delicadamente o objeto um pouco para cima ou qualquer direção, isto para obter um pouco de volume, note que tal procedimento não é de fato essencial, pois nem sempre tal volume é aparecente ou mesmo utilizado:

graftront7

Agora duplique o novo objeto, retire o preenchimento de traço deixando apenas seu núcleo aparente:

graftront8

Agora você pode selecionar o objeto de bordas brancas e pinta-lo com uma cor do seu agrado =]:

graftront9

Em seguida faça  mesmo com o objeto sem preenchimento nas bordas tomando a precaução de optar por cor compatível com a do objeto abaixo dele.

graftront10

Agora quanto ao objeto negro podemos optar por movelo alterando assim a posição da sombra volumétrica =]:

graftront11

Para criar uma sensação de volume por dentro das letras, duplique o objeto que possui apenas preenchimento interno e pinte-o de preto, abaixando sua seleção em um passo, ajustando sua posição em seguida:

graftront12

Feito isso, hora de exportar e usar! =]:

graftront13

Agora que voltamos ao Gimp, vamos ao seu uso:

graftront14

Escolha imagens que remetam a mralhas ou paredes para que possamos aplicar o nosso pequeno grafite:

graftront15

Um simples efeito de camada costuma resolver a “parada”, o efeito denominado “multiplicar” é apropriado pois a subtração luminosa anexa o objeto com perfeição as ranhuras da parede em questão:

graftront16

Eis aqui! =]*(os gregos que me perdoem…SEYAAAAAAA! “IKKIIII…!!!” ehehehe)

graftront17

Outro exemplo de aplicação é o perspectivo:

Com o objeto já em forma de nova camada, ative a ferramenta de perspectiva presente na interface principal do Gimp

graftront18

E ajuste o objeto de acordo com o angulo de ataque do objeto presente na imagem receptora:

graftront19

Feito isso, Aplique o efeito de camada denominado “Sobrepor’ sobre o objeto a fim de visualizar melhor sua posição:

graftront20

Uma vez definida, aplique sobre tal camada o efeito de camada denominado multiplicar, duplicando e dessaturando a camada resultante em seguida e aplicando sobre a mesma o efeito de camada denominado “Luz Dura”=]:

graftront21

De fato o volume negro neste final de exemplo mostrou-se desnecessário mas como o objetivo era apenas abrir o leque de possibilidades para vocês ele cumpriu seu papel =] . Dito vejo vocês no nosso próximo assunto!

Alucina Vetor Mód II

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, razgriz, software livre with tags , , , , , , , , , , on julho 18, 2009 by phenonart

Caros,

o assunto do dia é uma variação nada convencional do que vimos quando falamos sobre vetores alucinógenos , isso porque a proporção da estrutura vetorial aqui será imensamente maior. Sem demora comecemos importando uma imagem do nosso acervo para o Inkscape:

alunizer1

Agora vamos direto criar a estrutura vetorial primária baseada nos traços chave da imagem:

Para essa tarefa iremos novamente utilizar o nosso já intimo recurso denominado “Traçar Bitmap”:

alunizer2

Uma vez aqui, vamos criar uma estrutura vetorial relativamente detalhista, para isso vamos utilizar o recurso denominado “Cores” com valoração de nível acima de 80:

Não se assuste pois isso pode demorar um pouco =]

alunizer3

Quando a estrutura estiver pronta, mova-a para fora da imagem e selecione a mesma novamente, pois vamos agora criar uma nova estrutura vetorial não tão detalhista baseada apenas nos traços primários da mesma:

alunizer4

Para essa tarefa, vamos utilizar o recurso denominado “Intensidade do Brilho” com valoração abaixo de 400:

alunizer5

Depois que a estrutura estiver pronta, afaste-a do bitmap original e pode deleta-lo se desejar:

alunizer6

Agora vamos contorcer a estrutura vetorial que acabamos de criar afim de que a mesma possa contrastar com a primeira na hora do embate entre as mesmas, para essa tarefa nós vamos utilizar o efeito sobre caminho denominado “Curvar caminho” que se encontra dentro do menu denominado “Efeitos sobre Caminhos” que pode ser visto abaixo:

alunizer7

Aqui, deixe a curva de distorção com curvas opostas fazendo com que a estrutura fique ondulada:

alunizer8

Depois você ainda pode duplica-la e atribuir um novo formato a cópia para  depois criar um encaixe =]:

alunizer9

Feito isso, agrupe os dois objetos que compõem o desenho que criamos acima e posicione-os sobre um dos pontos chave da primeira estrutura vetorial que criamos, isso mesmo a que é detalhista =]! Isso fará com que as estruturas mais simples pareçam que estão brotando da mais complexa -=]:

alunizer10

Just one step ahead now =]

Exporte o trabalho para o Gimp e complemente o conceito do mesmo com uma pequena composição com pincéis compatíveis, em camada separada transparente =]:

IPC: Para que o exemplo do dia ganhasse uma conotação mais agressiva fiz uso de uma camada clone da imagem exportada dessaturada, aplicando em seguida o efeito de camada denominado “Multiplicar” assim reduzindo a intensidade da estrutura luminosa da imagem em troca de um vermelho mais escuro.

alunizer11

Agora combinemos as camadas visíveis do trabalho e vamos pedir a colaboração inestimável do nosso amigo “Mapeamento Alien” para corrigir a queda da intensidade da estrutura luminosa geral do trabalho:

alunizer12

Não precisamos de todos os canais para isso, basta um pequeno ajuste na freqüência e fase da luminosidade =]:

alunizer13

e voilà! =]

alunizer14

Dito isso meus queridos aprendizes, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Le Garage

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, inkscape, Inkscape tutoriais, Linux, O GIMP, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , , , on julho 16, 2009 by phenonart

Caros,

hoje vamos adentrar ainda mais no mundo dos psicodelismos dimensionados entre o abstrato e o dito palpável, mas antes vamos fazer uma descoberta um tanto quanto desconsertante agora:

AMBOS NÃO EXISTEM!! Os mesmos são apenas representações do espelho mental que nasce da interpretação única e exclusiva odo observador perante o trabalho! Ou seja não podemos dizer que algo esta pronto depois que salvamos o arquivos e fechamos a ferramenta, isso porque o RECEPTOR da mensagem sempre reconstruirá o trabalho com base nas informações que os sentidos do mesmo repassarem para sua mente. Assim o resultado é e sempre será inacreditavelmente IMPREVISÍVEL.

De posse disso vamos começar pelo chamado “alucina vector” ou “vetor alucinógeno” . Escolha uma imagem que seja portadora de um cenário ou situação por exemplo e importe a para o Inkscape.

galant1

Feito isso, vamos agora obter uma estrutura vetorial baseada nos traços da imagem, para essa tarefa iremos fazer uso do nosso tão já conhecido recurso denominado “Traçar Bitmap” cujo caminho pode ser visto abaixo:

galant2

Agora, utilize o parâmetro denominado “Intensidade do Brilho” com valoração entre 250 e 450 para obter um traço vetorial relativamente fiel aos contornos base da imagem:

galant3

Gerada a estrutura vetorial, vamos agora distorcer o seu formato base=]:

Para essa tarefa, vamos utilizar outro recurso que também já é de nosso domínio, ele se chama “Curvar caminho” e está dentro do menu de recursos denominado “Efeitos sobre caminhos” cujo caminho pode ser visto abaixo:

galant4

Agora utilizando o recurso “Curvar caminho”,  dobre a estrutura vetorial a seu gosto criando uma curva com a linha de cor verde que aparece cortando a estrutura:

galant5

Eis aqui um exemplo=]:

galant6

Agora duplique a estrutura vetorial distorcida *(Ctrl+D) e apenas rotacione o novo objeto, note que esta simples ação já é suficiente para distorcer o objeto criando uma nova possibilidade =]:

Dito isso, repita este processo algumas vezes para ter mais opções no final do nosso assunto =]

galant7

Agora vamos ao “Pulo do gato” do dia:

Duplique a imagem base algumas vezes*(Ctrl + D)  e deixe as cópias em local separado do qual estamos trabalhando, feito isso escolha uma das estruturas vetoriais criadas por você e encaixe-a sobre a imagem original em algum local que lhe agrade, depois selecione ambos os objetos e aplique sobre os mesmos a ferramenta denominada “Clip” cujo caminho pode ser visto abaixo:

galant8

Eis aqui um exemplo de como fica =]:

galant9

Agora repita o processo com as outras estruturas vetoriais =]:

galant10

Eis aqui as minhas pós execução da tarefa proposta =]:

galant11

Agora monte uma pequena composição movendo as estruturas encaixando-as ou posicionando-as até que um padrão que lhe agrade se forme:

galant12

Agora vamos remover o “grosso” das partes que não desejamos que apareçam no nosso trabalho=], crie um retângulo que abranja apenas as partes que desejamos preservar do trabalho:

galant13

Feito isso, deixe ele com preenchimento nulo e borda fina:

galant14

Agora afaste-o e selecione todas as estruturas vetoriais que compoem o trabalho e agrupe tais objetos:

galant15

Feito isso, reposicione o retângulo na area pretendida e selecione ambos os objetos aplicando a ferramenta denominada “Clip” em seguida:

galant16

galant17

Depois, a  seu critério amplie o tamanho da sua composição se desejar =]:

galant18

Agora basta selecionar os objetos e exportar =]:

galant19

Agora no Gimp… =] Vamos dar um fundo a este nosso vetor alucinógeno transparente =]:

galant20

Crie uma nova camada transparente e pinte-a da cor que melhor contraste com a sua  criação, tal ajuste é extremamente pessoal já que cada estrutura luminosa é única, no caso do exemplo o brando caiu muito bem.

IPC: NÃO esqueça de mover a camada pintada com a cor sólida para baixo da camada onde está a composição!

Feito isso, crie uma nova camada transparente e dentro da mesma crie uma composição com pincéis compatível com o conceito do seu trabalho utilizando as cores base do mesmo =].

galant21

E assim ficou o nosso exemplo do dia! =]

galant22

Pois então meus queridos aprendizes, hoje nós quebramos literalmente a barreira entre o abstrato e o palpável não? =] Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Dedicado ao amigo Wallisson Narciso.

Alterações estruturais feitas com pinceis

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , , on julho 6, 2009 by phenonart

Caros,

O assunto de hoje requer sensibilidade, vamos hoje analisar o processo de alteração estrutural de uma imagem feita a partir de um pincel de raio mór:

Comecemos escolhendo uma nova imagem, em seguida crie sobre a mesma uma nova camada transparente:

debris1

Agora dentre o seu estoque de pincéis, escolha um que abranja boa parte da imagem com setorizações diversas e aplique o sob a tutela da cor preta sobre a camada transparente:

debris2

Eis oque temos até aqui:

debris3

Agora selecione a camada base do trabalho e copie-a. Feito isso, cole o resultado sobre a camada que abriga o nosso pincel aplicado:

Repare que a mesma ainda é uma seleção flutuante e não uma camada, estando assim sujeita aos limites físicos da camada do nosso pincel.

debris4

Dito isso, aplique sobre a seleção flutuante o efeito de camada denominado “Diferença” e ancore-a sobre a camada que abriga o nosso pincel:

As imagens abaixo ilustram esse processo:

debris5

Aqui já temos o efeito de camada aplicado, note como se pode “ver” o pincel através das ranhuras formadas. Para ancorar a seleção flutuante basta clicar no ícone representado por uma pequena ancora localizada na interface de controle das camadas:

debris6

Feito isso, mova ligeiramente a camada resultante do processo acima e veja o que acontece=]:

debris7

Para quem desejar ir além:

Crie uma nova camada transparente sobre o trabalho e sobre ela crie uma pequena composição com pinceis na cor branca ou mesmo aplique apenas um pincel de tamanho mór:

debris8

Feito isso, aplique sobre esta camada o efeito de camada denominado Sobrepor =]:

debris9

E assim fica o exemplo do dia =]:

debris10

Então hoje nós vimos como um simples pincel pode deflagrar uma revolução na estrutura de uma imagem =]. Dito isso meus caros aprendizes vejo vocês no nosso próximo assunto!

%d blogueiros gostam disto: