EL DIABLO de Casa NOVA!

Posted in Gimp Documentação on dezembro 12, 2010 by phenonart

Caros,

depois de alguns meses pensando nas vantagens e contras….resolvi mudar o blog de “CASA” !!=]. Isso mesmo agora os novos posts serão feitos pelo:

Essa mudança tem como serventia facilitar a postagem de conteúdo e agilizar a publicação =], todo o conteúdo já postado aqui permanecerá intocado e um link direto deste acervo será postado na nova casa também . Para começar não mais apenas artigos vamos ter mas agora trabalhos do meu portfólio, de alunos e de gente que faz acontecer, além de comentários com foto em alguns casos para que vocês possam mostrar o talento adquirido por vocês!

Desde já agradeço imensamente ao WordPress pelo espaço cedido e momentos vividos aqui, vejo vocês na nossa nova casa!

HTTP://RAZGRIZBOX.TUMBLR.COM !

Quando o foco é o FOCO da imagem?

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, Linux, razgriz, software livre with tags , , , , , , , , , on dezembro 6, 2010 by phenonart

Caros, 

Nosso assunto do dia se traduz no delicado mundo do auto ajuste de imagem, nem sempre o que parece perfeito de fato é perfeito certo? O mesmo nós podemos dizer do realce dos traços periféricos de uma imagem =], então hoje vamos justamente aprender a realçar estes tons geralmente desprezados . A grande serventia dos mesmos é fazer com que o espectador SEMPRE encontre algum detalhe novo cada vez que olhar para o seu trabalho =] .

Dito isso, comecemos escolhendo a imagem do dia :

Escolhida a imagem do dia, duplique a camada base da mesma, isso se faz necessário por que não iremos descartar as características primárias da imagem mas apenas amplifica-las =]:

Feito isso, vamos agora ao pulo do gato do dia, acione o filtro denominado “Refocus” cujo caminho pode ser visto a baixo:

Sua serventia aparentemente óbvia se traduz em amplificar o foco da imagem trazendo assim a tona os detalhes outrora esquecidos ou invariavelmente deletados. Dito isso seu uso é realmente dos mais simples bastando avaliar seus parâmetros :

Tamanho da Matriz : Determina a intensidade do realce a ser implementado no trabalho

Raio : Determina o espectro de atuação do filtro dentro da imagem

Desfoque: Determina se haverá ou não atenuação da amplificação do foco

Correlação: Determina o nível de interligação do realce para com o trabalho

Ruído:Determina o nível de ruído a ser atribuído ao trabalho

Pré- visualização: Prévia do trabalho, permite ainda Zoom na imagem pré-filtro.

Definidos os parâmetros deixemos o filtro executar sua tarefa=]:

Repare que agora temos um nível de detalhes extremamente elevado sem esforço aparente!

Hora de fundirmos as duas camadas para amplificar os detalhes por luz e tom, para tal aplique sobre a nova camada portadora do resultado do filtro o efeito de camada denominado “Mesclar Grãos” e pronto!:

Para finalizar o exemplo do dia eu deixo umas pegadinha: Como foi feito o efeito de sombras visto abaixo?

Dito isso, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Gostou do post? Estou com grandes planos para tornar um EL DIABLO um blog muito melhor comprando um tema premium , adquirindo um domínio e hospedagem decente entre outras coisas que a tempos vocês meus queridos aprendizes anônimos vem me pedindo a tanto tempo. Mas pra isso vou precisar do apoio de vocês pois no momento eu não posso ou mesmo quero dispender ainda mais recursos técnicos ou financeiros para manter o blog. Caso você DESEJE e POSSA ajudar, por favor faça sua doação através do botão do Pag Seguro listado abaixo.

OBS: Em razão de a hospedagem do wordpress não aceitar o código do Pag Seguro de forma direta o botão irá leva-lo até uma pagina gentilmente mantida no servidor da comunidade brasileira do Gimp contendo o botão que o levará a pagina do sistema Pag Seguro mantendo a integridade da transação intacta.

Desde já o meu muito obrigado a todos vocês =]!

Cria Livre lança cursos rápidos de verão

Posted in Gimp Documentação on dezembro 2, 2010 by phenonart

Os cursos de verão são ideais para aprender a criar trabalhos profissionais como pinturas a óleo ou ilustração com pouquíssimos cliques! Os Cursos são totalmente dinâmicos e práticos . Com valores Mega Acessíveis.

Não perca essa oportunidade. Matricule-se já!

Como Ilustrar sem Apanhar

Posted in Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, razgriz, Tutoriais, tutorial with tags , , , , , , , on novembro 28, 2010 by phenonart

Caros,

Sei muito bem que ando sumido mas nem tanto, é bem verdade que a migração da Comunidade Brasileira do Gimp e o Cria Livre demandam muito da minha atenção, mas não pensem que me esqueci de vocês, prova disso é o nosso assunto do dia, hoje nós vamos aprender a transformar uma imagem em uma ilustração espontânea e realista, semelhante aos croquis feitos por artistas urbanos no meio das cidades =].

Dito isso, comecemos abrindo  uma imagem presente em nosso acervo =] , lembrando que você é livre para optar pelo arquivo que você desejar , isso serve também para o campo da pré-edição, afinal….é claro que o carro não era assim -:

Escolhida a imagem, vamos a suite de plugins G’MIC que contém mais de 415 plug-ins para fazer a nossa alegria, efetue o download e coloque o arquivo dentro da pasta de plugins do Gimp:

Feito isso, vamos até a mesma, o caminho na grande maioria dos casos se assemelha ao visto abaixo:

Uma vez aberta a suite, vamos até o Plugin denominado B&W Sketch cuja função é cobrir os traços da imagem com linhas tracejadas, Seus muitos parâmetros permitem diversos estilos de traço e nível de coerência. Como as possibilidades de ajuste são praticamente infinitas, veremos um ajuste simplório que executa um traço mais consistente e próximo e assemelhado ao esboçado em cadernos, para tal, mantenha o parâmetro denominado “Coerência” com valoração entre 0,70 e 1,25 para que os traços sigam relativamente a orientação espacial da imagem, o campo denominado “Stroke length” determina o tamanho dos traços a serem criados, portanto utilize uma valoração entre 330 e 500 para obter um traço não tão forte mas relativamente preciso. Quanto ao parâmetro denominado “Opacidade” procure deixa-lo com valoração abaixo de 0,5 para que os traços não fiquem densos demais.

Quando ficar satisfeito, deixe o filtro executar o seu trabalho =] . Repare como temos um traço extremamente detalhado da imagem que chega a ser um pouco poluído em certos casos, mas é exatamente o que queremos por agora.

Hora de fundir o traço a imagem =]

Aplique sobre a camada portadora do mesmo o efeito de camada denominado “Sobrepor” e reduza sua opacidade para cerca de 30% , isto fará com que o traço fique com uma aparẽncia mais natural perante o trabalho.

Para complementar a sensação do traço vamos acrescentar um pouco de luz, para tal duplique a camada portadora do mesmo e aplique o efeito de camada denominado “Extrair Grãos”, esta ação irá literalmente lançar as ranhuras dos traços para fora =]

Agora vamos complementar o nosso trabalho criando uma pequena composição com pincéis de conceito compatível por cima, no caso escolhi alguns grafites para combinar com o ambiente =]. Para que ela se funda ao trabalho basta aplicar o efeito de camada “Sobrepor” sobre a camada portadora da composição =]

E assim ficou o nosso exemplo do dia, uma imagem ilustrada sem esforço algum!

Dito isso meus caros aprendizes, vejo vocês no nosso próximo assunto!

LuminaTRIX

Posted in Blender, computação gráfica, Computação Gráfica Livre, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, razgriz with tags , , , , , , , , on outubro 3, 2010 by phenonart

Caros,

Nosso assunto do dia nos remete ao campo das criações 3D em sua instância mais pura que é a confecção de tais objetos em programas feitos para tal, além de animações e ou personagens outra grande serventia deste tipo de matéria volumétrica se da na criação de recursos voltados para outros programas como o Gimp =], então hoje vamos aprender a criar uma nova família de pincéis para o Gimp no Blender com a forma de estalactites de gelo =] .

Mas… por que criar no BLENDER?

Pois é meus caros, todo bom diretor de arte deve ao menos conhecer todos os nichos que compõem a sua profissão =] incluindo os preceitos básicos da criação 3D .

Dito isso, comecemos então abrindo o Blender, após aberto podemos notar que sua interface apenas parece complicada mas de fato não é como veremos por agora :

Tudo começa com uma cena contendo uma câmera *(ângulo de visão do objeto) , uma lâmpada*(incidência de luz sobre este último) e claro o referido objeto no caso um cubo padrão além das aletas de movimentação =]. Na parte inferior da mesma temos os menus de interação e intervenção para com o nosso objeto em  cena, seu sistema de trabalho é composto por abas diversas semelhantes as vistas no Gimp ou mesmo Firefox catalogadas por tipo de ação e grau de intervenção. Para saber mais sobre o Blender não se limite a este pequeno documento, depois de uma passada na página da comunidade Blender Brasil dentro do 4CMULTI =]

Como queremos recriar estalactites precisamos de um objeto base que seja propenso a recriar pontas afiadas com maior facilidade, então vamos começar apagando o cubo da nossa cena =] : Para tal selecione-o clicando com o botão direito do mouse deletando o com a tecla “delete” do seu teclado em seguida. O Blender ainda pedirá uma confirmação então apenas o autorize. =]

Feito isso, vamos agora adicionar um novo objeto a nossa cena, para tal na parte superior da sua interface basta navegarmos até o menu “Adds” ou “Adicionar” e selecionar a forma “IcoSphere” criando um domo geodésico na nossa cena =]

O Blender ainda irá perguntar quanto ao Raio e Subdivisões, no caso os valores padrões já nos atendem =]

E eis aqui o nosso novo objeto =]

Agora para obtermos as pontas afiadas, vamos extrudir os lados do nosso objeto =] , para tal no menu inferior troque o modo de controle para “Modo de Edição” para que possamos trabalhar no formato do material em si :

Repare que ao trocar o modo de edição temos todas as faces do nosso objeto selecionadas, no caso você pode selecionar quantas desejar ou manter como está, para finalmente extrudir o objeto aperte a tecla “E” para obter acesso a essa ferramenta selecionando em seguida o método de extrudição denominado “Faces individuais” permitindo assim que todas as faces do objeto possam sofrer o processo de maneira uniforme. =]

Agora basta arrastar o mouse até ficar satisfeito!=]

Quando você ficar satisfeito, troque de novo o modo de interação para com o objeto, mas desta vez para o de entalhe ou “Sculpt” :=]

Sua serventia é nos outorgar literalmente moldar o objeto fazendo uso do mouse ao nosso gosto com diferentes formas de intervensão, sua mecânica de trabalho é bem semelhante a do filtro “Deformação Interativa” já tão conhecido e utilizado por nós no Gimp =] :

Para determinar como se dará a intervenção da ferramenta no objeto basta determinar o fazer desejado no menu inferior cujo sistema de abas é semelhante ao encontrado no quesito manobrabilidade do Gimp

Satisfeito, é hora de avaliar o nosso “monstrinho” =] , apertando “F10″ ou mesmo acessando o menu de renderização =]:

Para obtermos um produto sem fundo comecemos alterando o formato do arquivo para PNG em face do mesmo suportar transparência =].

Para obter ainda mais qualidade quanto ao produto final, altere a quantidade de samplers por pixel para sua valoração máxima =]

Feito isso peça ao Blender uma prévia do seu objeto renderizado =] , só lembrando que a visão do mesmo é a mesma dada pelo posicionamento da câmera e da icidência de luz sob o mesmo determinada pela lâmpada base do Blender.

Uma vez satisfeito, é hora de salvar o nosso objeto renderizado =]

Antes de salvar confira se você pediu para que o arquivo fosse renderizado SEM PLANO DE FUNDO=] :

Feito isso, salve onde desejar =]

Agora podemos abrir o resultado no Gimp e salvar como  pincel =]

Criando então novos objetos no Blender podemos dar aos mesmos novas nuâncias de luz e cor criando assim uma nova família de pincéis, mas mais do que isso podemos também fazer uso de tais peças para criar trabalhos derivados em outros planos =] :

Para finalizar deixo uma pequena sugestão

Cri

a

O poder Laranja

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , on setembro 26, 2010 by phenonart

Caros,

pouco se imagina o verdadeiro potẽncial dos degradês transicionais formados por cores quentes, então hoje vamos redescobrir seus tesouros minimalistas =]  fazendo uso da transição coloral vivo acrescido apenas de objetos em cor una-sólida .

Dito isso comecemos criando uma nova imagem com preenchimento preto no Gimp com tamanho livre :

Aberta a nova imagem  selecione dentre o seu acervo de degradês um que atenda a solução proposta no assunto do dia, normalmente o padrão de fábrica denominado “Yellow Orange” é mais que suficiente, porém você pode criar um novo padrão se assim desejar =]

Feito isso, vamos criar um degradê com corte linear uniforme, para tal basta arrastar o cursor e soltar o mouse quando este atravessar a imagem em sua totalidade =],

O grande segredo da transição coloral em degradês é determinar antes mesmo de se criar o novo padrão IMAGINAR o que se quer passar, lembrando que quando mais escuro for o tom da cor resultante da transição mais sombrio e marginal o trabalho será de acordo com a mensagem , sendo ainda que os tons escuros favorecem o uso de pincéis volumétricos e de formas complexas não sólidas*(cor e tom único primário)

,

Aplicado o degradê vamos a criação de uma composição sólida  de conceito coeso e fechado, no caso optei por um semi ilustrado criado a partir de uma família de pincéis sólidos multi propósito =]:

O grande segredo para composições que sigam esta  linha é procurar criar novos objetos fazendo uso dos pincéis dessa família única primeiro analisando maneiras de encaixar formas umas nas outras =] , ainda sem esquecer também que a cor é fator primordial aqui, no caso o preto SEMPRE cai bem, dizendo o mesmo do preenchimento em cor luz quando se tem volume ou tom mais escuro como back up =]:

Depois de criar a forma base você pode complementar a composição se assim desejar acrescentando outros objetos igualmente sólidos que mantenham a sintonia para com o conceito a ser transmitido =]

n

Tome muito cuidado em utilizar apenas fragmentos de pincéis maiores que a área total da imagem pois eles podem poluir o seu trabalho se o uso não for “homeopático”

Pincéis com pequenos detalhes que não possuam preenchimento sólido até são bem vindos para acrescentar algum detalhe ao conceito contanto que aplicados sob extrema cautela =].

Em trabalhos como este você não precisa criar uma camada para cada objeto, porém em algumas situações que demandem livre movimentação não hesite em criar =], isso é valido para partes menores que podem vir a requerer pequenos ajustes.

E com poucos objetos adicionados podemos encerrar o nosso exemplo assim =].

Reparem que a transição de cor e o preenchimento sólido fizeram todo o serviço de fundir ambos os cenários sem esforço =]

Mas se aplicarmos oque foi dito sobre pincéis em cor luz….

Obtemos a mesma diretriz só que ainda mais rica e envolvente =]

Dito isso meus caros aprendizes, vejo vocês no nosso próximo assunto!

Paint it Black.

Posted in computação gráfica, Computação Gráfica Livre, Dirty job, gimp, Gimp Documentação, Gimp tutoriais, gimp tutorial, razgriz, software livre, Sotware Livre Rio de Janeiro with tags , , , , , , , , , on setembro 24, 2010 by phenonart

Caros,

Hoje vamos tratar de um assunto pedido por um dos meus alunos anônimos mais estimados que é a transformação de imagens em baixa resolução em verdadeiras abstrações de qualidade proporcionalmente superior ao da matéria original fazendo uso do Plugin G’MIC que nos foi apresentado a pouco.

Para tal comecemos então escolhendo dentre o nosso acervo uma imagem em baixa resolução :

Escolhida a imagem abra-a no Gimp e duplique sua camada base pois será sobre a resultante do processo que executaremos o filtro a prióri :

Feito isso abramos  o G’MIC responsável pelo grande pulo do gato do dia :

Uma vez aberto utilize o filtro da suite G’MIC denominado B&W Pencil, catalogado na categoria de filtros artisticos, as valorações dos parãmetros do plugin são a seu gosto.

Uma vez satisfeito, deixe o filtro trabalhar =]

Para fundir as duas camadas o efeito de camada subtrativo denominado “Sobrepor” faz todo o trabalho =] :

Repare que agora a imagem já não apresenta mais o aspecto “sujo” de pixel s embaralhados mas sim um certo ar de abstração =].

Feito isso vamos combinar as camadas visíveis pois não precisamos mais da original =]

Feito isso, duplique a camada resultante do processo supracitado e abra novamente a suite G’MIC =]

Desta vez sobre a nova camada aplicaremos um efeito deformativo, o efeito “água”*(water) é um dos meus preferidos por gerar leves distorções :

Concluido o trabalho do filtro temos :

Repare como ainda temos acesso ao paginamento de cor e tons mesmo com as distorções empregadas na camada =]:

Para uma fusão perfeita o efeito de camada denominado  “Sobrepor” é novamente clamado =] :

Para amplificar o efeito basta duplicar a camada portadora do mesmo quantas vezes desejar acrescentando assim ainda mais detalhes a nossa recém morfada ilustração =]

E assim ficou o nosso exemplo do dia =] :

Para encerrar deixo a pegadinha do dia:

Eu escondi um pequeno efeito dentro da imagem do nosso exemplo do dia… =] que efeito é esse ??

Dito isso, vejo vocês em nosso próximo assunto!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: